Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Bolsonaro demite Mandetta do Ministério da Saúde

Discordâncias sobre a forma de enfrentar o novo coronavírus no Brasil e "rusgas" públicas fizeram presidente decidir por mudança na pasta; substituto será Nelson Teich


postado em 16/04/2020 16:18 / atualizado em 16/04/2020 20:36

Discordâncias em relação a Bolsonaro pesaram para demissão de Mandetta(foto: Evaristo Sá/AFP)
Discordâncias em relação a Bolsonaro pesaram para demissão de Mandetta (foto: Evaristo Sá/AFP)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) demitiu, nesta quinta-feira, o ministro da saúde Luiz Henrique Mandetta. A decisão, comunicada em reunião no Palácio do Planalto, é resultado de semanas de tensões e discordâncias públicas entre o executivo e o agora ex-chefe da pasta sobre como combater a pandemia do novo coronavírus no Brasil.



O substituto será o oncologista Nelson Teich, que se reuniu com Bolsonaro na manhã desta quinta, em Brasília. No encontro, o médico apresentou propostas de enfrentamento à COVID-19 no país.

Pelo Twitter, Mandetta anunciou a demissão. "Acabo de ouvir do presidente Jair Bolsonaro o aviso da minha demissão do Ministério da Saúde. Quero agradecer a oportunidade que me foi dada, de ser gerente do nosso SUS, de pôr de pé o projeto de melhoria da saúde dos brasileiros e de planejar o enfrentamento da pandemia do coronavírus, o grande desafio que o nosso sistema de saúde está por enfrentar. Agradeço a toda a equipe que esteve comigo no MS e desejo êxito ao meu sucessor no cargo de ministro da Saúde. Rogo a Deus e a Nossa Senhora Aparecida que abençoem muito o nosso país", publicou.


Ciente a iminência da demissão, Mandetta adotou um discurso de despedida desde essa quarta-feira. Em entrevista coletiva, o então ministro da saúde disse “não ser insubstituível” e que as ações propostas pela pasta no combate ao avanço da COVID-19 no país são baseadas em ciência.

Não somos insubstituíveis, nunca falamos que somos. São visões diferentes. Ele (Bolsonaro) claramente externa que quer um outro tipo de posição por parte do Ministério da Saúde. Eu, baseado no que nós recebemos e baseado em ciência, tenho esse caminho para oferecer. Fora desse caminho, tem que achar alternativas. E tem muitas alternativas, gente muito boa, muito experiente”, disse.

Mais tarde, Mandetta subiu o tom, desabafou e fez claras críticas à postura do presidente Jair Bolsonaro no combate à pandemia. “São 60 dias nessa batalha. Isso cansa! Sessenta dias tendo de medir palavras. Você conversa hoje, a pessoa (Bolsonaro) entende, diz que concorda, depois muda de ideia e fala tudo diferente. Você vai, conversa, parece que está tudo acertado e, em seguida, o camarada muda o discurso de novo. Já chega, né? Já ajudamos bastante”, disse, em entrevista à revista Veja.

Enquanto esteve no cargo, Mandetta seguiu recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e orientou um confinamento mais abrangente, que incluísse a maioria da população, com o objetivo de evitar mortes e sobrecarga no sistema de saúde. Já Bolsonaro, com o propósito de reduzir danos econômicos, defende o chamado “isolamento vertical”, em que apenas aqueles que estão em grupos de risco (idosos e pessoas com doenças crônicas) devem ficar em casa.

Tensões

Bolsonaro e Mandetta durante entrevista coletiva no começo da crise(foto: Sergio Lima/AFP)
Bolsonaro e Mandetta durante entrevista coletiva no começo da crise (foto: Sergio Lima/AFP)

As especulações sobre a troca de comando no Ministério da Saúde se arrastam há semanas. No último dia 6, Bolsonaro havia decidido pela demissão de Mandetta, mas voltou atrás ao ser convencido pela chamada “ala militar” do governo de que era melhor mantê-lo no cargo em meio à crise. Naquele momento, houve uma reaproximação entre os dois, que concordaram em tentar unificar o discurso do governo federal no enfrentamento à pandemia.

Porém, dias depois, Bolsonaro desrespeitou publicamente recomendações do Ministério da Saúde e causou aglomerações em três dias consecutivosduas vezes em Brasília e uma na cidade goiana de Águas Lindas. A atitude do presidente foi mal recebida por Mandetta e outros integrantes da pasta.

A tensão voltou a crescer quando o ministro concedeu uma entrevista ao Fantástico, da TV Globo, no último domingo. Mandetta lamentou as divergências no combate à pandemia e disse que a o brasileiro não sabe quem deve escutar: o Ministério da Saúde ou o presidente. As declarações irritaram o governo e aumentaram a pressão pela demissão, agora com o aval da própria “ala militar”.

"O presidente olha pelo lado da economia. O Ministério da Saúde entende a economia, entende a cultura e educação, mas chama pelo lado de equilíbrio e proteção à vida. Eu espero que essa validação dos diferentes modelos de enfrentação possa ser comum e termos uma ala única, uma fala unificada. Porque isso leva pro brasileiro uma dubiedade. Ele não sabe se ele escuta o ministro da Saúde, se ele escuta o presidente, quem é que ele escuta”, disse Mandetta, na ocasião.

Trajetória

Médico ortopedista, Luiz Henrique Mandetta, de 55 anos, foi deputado federal em duas legislaturas pelo DEM do Mato Grosso do Sul, entre 2011 e 2018. Indicado pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), foi convidado por Bolsonaro, em novembro de 2018, para assumir o Ministério da Saúde.

Antiabortista e crítico ferrenho do programa Mais Médicos, criado pelo governo Dilma Rousseff (PT) em 2013, Mandetta era bem avaliado por Bolsonaro até o início da crise do coronavírus no Brasil. As discordâncias e tensões públicas, porém, colocaram fim à passagem do médico pela pasta.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade