Publicidade

Estado de Minas CORONAVÍRUS

Mandetta diz que só deixa Ministério em três situações

Ministro da Saúde está ameaçado e pode deixar o cargo por conflito de ideias com o presidente Jair Bolsonaro


postado em 15/04/2020 18:20 / atualizado em 15/04/2020 18:39

Mandetta falou sobre possibilidade de deixar o Ministério da Saúde(foto: Edu Andrade/Fatopress/Estadão Conteúdo)
Mandetta falou sobre possibilidade de deixar o Ministério da Saúde (foto: Edu Andrade/Fatopress/Estadão Conteúdo)

O ministro da saúde Luiz Henrique Mandetta listou três cenários em que deixaria o cargo. Em meio ao avanço da pandemia no novo coronavírus no Brasil, o chefe da pasta está ameaçado de demissão por conta de divergências com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre o combate à COVID-19.

“Eu deixo o Ministério da Saúde em três situações. Uma, quando o presidente não quiser mais o meu trabalho. O segundo é quando se, eventualmente, isso a gente não pode saber, imagine que eu pegue uma gripe dessa e tenha que ser afastado por forças alheias à minha vontade. E a terceira quando eu sentir que o trabalho feito já não é mais necessário que seja continuado porque, de alguma maneira, passamos por esse estresse”, disse.

Mandetta segue recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e orienta um isolamento social mais abrangente, que inclua a maioria das pessoas, com o objetivo de evitar mortes e sobrecarga no sistema de saúde. Já Bolsonaro, com o propósito de reduzir danos econômicos, defende o chamado “isolamento vertical”, em que apenas aqueles que estão em grupos de risco devem ficar em casa.

Na entrevista desta quarta-feira, Mandetta defendeu o posicionamento do Ministério da Saúde e disse que as ações implementadas pela pasta são baseadas em ciência. Segundo as autoridades internacionais, o melhor método de enfrentar a pandemia é o isolamento social. O ministro, porém, disse não ser insubstituível e que há “alternativas” a ele.

“Não somos insubstituíveis, nunca falamos que somos. São visões diferentes. Ele (Bolsonaro) claramente externa que quer um outro tipo de posição por parte do Ministério da Saúde que eu, baseado no que nós recebemos e baseado em ciência, eu tenho esse caminho para oferecer. Fora desse caminho, tem que achar alternativas. E tem muitas alternativas, gente muito boa, muito experiente”, disse.

‘Alternativas’

Em outro momento da entrevista, Mandetta citou o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) como alguém que pensa diferente e propõe outros tipos de ação para enfrentar a pandemia no Brasil.

“Eu tenho ex-secretários de saúde que verbalizam diariamente que acham que o caminho é outro. O deputado Osmar Terra todo dia fala: ‘O caminho está errado, eu quero ir por aqui’. Existem pessoas que acreditam fielmente e que criam essas teorias de negócio (isolamento) vertical, oblíquo, horizontal... Não sei de onde vêm essas angulações. Mas acreditam fielmente. Ninguém é dono da verdade. Nós temos um conjunto de informações que nos levam a ter essa conduta de cautela”, disse.

Em seguida, porém, Mandetta defendeu as estratégias do Ministério da Saúde. “Parece que eu sou contra o presidente ou o presidente é contra mim. Não. São visões diferentes do mesmo problema. Se tivesse uma visão única, seria um problema muito fácil de solucionar. Ele não é um problema maniqueísta, não é branco ou preto. Existe o cinza, existem várias gradações. Até aqui, o que coloco para a minha equipe é que nós fizemos um trabalho muito elogiado por banco mundial, por Organização Mundial de Saúde”, finalizou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade