Publicidade

Estado de Minas

Dívida de Kalil e atuação de João Leite como goleiro marcam debate na Associação Comercial


postado em 20/10/2016 15:42 / atualizado em 20/10/2016 16:12

(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)

Os dois candidatos a prefeito de Belo Horizonte se enfrentaram nesta quinta-feira em um debate promovido pela Associação Comercial de Minas Gerais, apesar de as regras não terem permitido em nenhum momento perguntas entre eles e muitos menos réplicas. Mesmo assim eles trocaram farpas e acusações. Um dos temas que movimentou o debate foi o Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU).

A todo momento, ao comentar temas como saúde, segurança e mobilidade, o candidato do PSDB, deputado estadual João Leite, sempre lembrava que o tributo era fundamental para financiar políticas públicas, indireta ao seu adversário, o empresário Alexandre Kalil (PHS), que deve IPTU. Leite também fez várias referências, todas sem citar Kalil, à importância da política para governar a cidade, uma referência também indireta à campanha adversária que usa como mote a frase “chega de político”.

Kalil prometeu quitar o imposto antes de, segundo ele, virar prefeito e disse que teve sua vida vasculhada pela campanha tucana que só encontrou a dívida de IPT. “A única coisa que me acusam é um atestado de pobreza, afirmou. Segundo ele,  o imposto não foi quitado por dificuldades financeiras e não para dar calote. “Não acharam fazenda, não acharam avião, não acharam meu nome na lista de Furnas, não acharam avião, helicóptero, casa em Angra, não acharam nada”.

Kalil disse ainda ser favorável à política. “Eu não sou contra a boa política não, sou muito a favor. Não sou a favor do que fizeram com a Prefeitura de Belo horizonte”, afirmou Kalil, que também provocou Leite afirmando, também sem citar seu nome, que ele não teria nenhum projeto importante ao longo de seus seis mandatos e insinuando que ele representava a polarização PT e PSDB que “acabou com o Brasil”.

Ao final do debate, em suas considerações finais, Leite respondeu às insinuações do adversário e disse ter sido estar sendo desrespeitado por Kalil ao longo desse segundo turno. “Fui atleta. O atleta que mais vestiu a camisa do Galo, que me orgulha, me honra, sou atleticano desde criança lá na Vila Oeste lamentavelmente desrespeitado por um ex-dirigente do clube. Eu não teria coragem de desrepeitar nenhum ex-atleta do clube”, reclamou João Leite, ex-goleiro do Galo, chamado por Kalil no fim de semana de atleta “meia boca”.

O tucano também exigiu respeito e disse que nunca ficou dependurado na Assembleia, conforme insinuou Kalil, e que deu sua vida atuando no parlamento. Ele é deputado há seis mandatos e foi vereador por três vezes.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade