Publicidade

Estado de Minas IMUNIZAÇÃO

Casos de COVID-19 em vacinados não significam ineficácia do imunizante

Levantamento realizado pela 'Aos Fatos', agência de jornalismo especializada em checagem de informações, esclarece questões sobre vacinas contra o coronavírus


26/02/2021 09:12 - atualizado 26/02/2021 13:38

(foto: Luis Robayo/AFP)
(foto: Luis Robayo/AFP)
Relatos de pessoas que adoeceram ou morreram de COVID-19 após terem sido vacinadas se multiplicam nas redes sociais dentro de uma narrativa distorcida de que os imunizantes não são capazes de proteger alguém da doença.

 

Desde janeiro, quando as vacinas foram aprovadas para uso emergencial no Brasil, postagens que levantam suspeitas sobre a eficácia da imunização acumulam ao menos 600 mil visualizações e 22,5 mil compartilhamentos no Facebook, além de circularem no WhatsApp.

 

Entretanto, levantamento da Aos Fatosagência de jornalismo independente especializada em checagem de informações, esclarece várias questões sobre as vacinas contra o coronavírus. %u2028

 

Mas, afinal, quem já foi vacinado pode contrair COVID-19 ou contaminar outras pessoas? Os imunizantes em uso no país são seguros? Explicamos a seguir.

 

É possível pegar COVID-19 depois de vacinado?

Sim. As vacinas têm uma taxa de eficácia global que indica a capacidade de o imunizante reduzir as chances de um vacinado contrair a doença. A taxa da CoronaVac, vacina produzida pelo Instituto Butantan, é de 50,38% – ou seja, quem receber as duas doses pode ficar 50,38% menos suscetível à contaminação pelo novo coronavírus. Já a vacina Oxford/AstraZeneca, produzida em parceria com Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), alcança uma eficácia global de 82,4% após a segunda aplicação.

 

Nos dois casos, são necessárias duas doses para que a imunização seja eficaz, e a proteção não se dá imediatamente após a aplicação. Na CoronaVac, a imunidade prevista pela taxa de eficácia global geralmente é alcançada duas semanas após a segunda dose, que deve ser aplicada em um intervalo de 14 a 28 dias depois da primeira, segundo nota do Instituto Butantan. Além disso, o número de anticorpos pode continuar em crescimento até um mês após a segunda imunização, dependendo do organismo.

 

(foto: Ilustrac%u0327a%u0303o/Luiz Fernando Menezes/Aos Fatos/Reproduc%u0327a%u0303o)
(foto: Ilustrac%u0327a%u0303o/Luiz Fernando Menezes/Aos Fatos/Reproduc%u0327a%u0303o)
 

 

Já quem tomar a primeira dose da Oxford/AstraZeneca pode ficar 76% menos suscetível a contrair a COVID-19 entre o 22ª e o 90ª posterior à aplicação, segundo um estudo preprint (não revisado por outros cientistas) publicado na revista The Lancet no início de fevereiro. Depois desse período, a segunda dose deve ser aplicada para completar os 82,4% de eficácia geral.

 

Apesar da diferença entre as taxas de eficácia global da CoronaVac e da vacina de Oxford, é importante que não haja comparação entre elas. Conforme explicou Laura de Freitas, microbiologista e pesquisadora da USP (Universidade de São Paulo), as taxas variam de acordo com o tipo de vacina e do método de pesquisa realizado. O Aos Fatos explicou mais sobre o assunto em janeiro.

 

Além da taxa de eficácia global e do tempo que demora para a produção de anticorpos, para que a imunidade seja eficaz é preciso levar em consideração também a cobertura vacinal. Isso porque apenas quando grande parte da população estiver imunizada é que será possível controlar a propagação do vírus e reduzir os casos graves. Até o início dessa semana, apenas 2,79% da população havia sido vacinada no Brasil, segundo a Fiocruz.

 

É possível contaminar alguém mesmo estando vacinado?

 

Ainda não se sabe ao certo se as vacinas são capazes de bloquear ou não a transmissão do vírus. Em meados deste mês, a CoronaVac começou a ser aplicada massivamente na cidade de Serrana, no interior de São Paulo, para avaliar o seu potencial de diminuição da taxa de transmissão do vírus. A divulgação dos resultados está prevista para a segunda quinzena de maio.

 

O preprint sobre a vacina de Oxford/AstraZeneca publicado no início de fevereiro afirma, com base na carga viral avaliada em voluntários, que a chance de transmissão do vírus foi reduzida 67% após a primeira dose do imunizante. Entretanto, os estudos clínicos seguem em andamento.

 

No momento, enquanto a grande maioria da população ainda não foi vacinada, é necessário continuar com as medidas de prevenção, por exemplo, usar máscara e evitar aglomerações.

 
As vacinas são seguras?

 

Sim. Nenhuma das mortes relatadas nas redes sociais provou ter relação com as vacinas em uso no Brasil, CoronaVac e Oxford/AstraZeneca. Além disso, os resultados das pesquisas realizadas com os dois imunizantes não mostraram efeito colateral grave.

 

A CoronaVac não apresentou efeitos adversos graves nas duas primeiras fases do ensaio clínico. O estudo publicado na revista científica The Lancet em novembro mostrou que, na fase 1, a taxa ficou entre 13% e 38%, com predomínio de sintomas leves, como dor no local da injeção. Como grave e possivelmente relacionado à vacina, foi relatado apenas um caso de urticária em que o participante foi medicado, se recuperou e não apresentou outras reações ao tomar a segunda dose.

 

Os resultados apresentados na The Lancet no dia 8 de dezembro sobre a vacina de Oxford/Astrazeneca também não indicaram efeito adverso grave ou morte. Durante os testes, 175 eventos graves foram observados, mas apenas três deles (anemia hemolítica e mielite) poderiam ter relação com a vacinação.

 

Essas informações também estão disponíveis nas bulas autorizadas em janeiro pela Anvisa tanto da CoronaVac quanto da de Oxford/AstraZeneca.%u2028%u2028

 

Publicações sobre mortes após a vacinação contra COVID-19 relacionadas a outros imunizantes contra COVID-19 têm sido recorrentes em diferentes países, mas também não houve comprovação de alguma relação.

O que é o coronavírus

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.


transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.


A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.

Vídeo: Flexibilização do isolamento não é 'liberou geral'; saiba por quê

Principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia
  • Em casos graves, as vítimas apresentam:
  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal
  • Os tipos de sintomas para COVID-19 aumentam a cada semana conforme os pesquisadores avançam na identificação do comportamento do vírus 

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o vírus Sars-CoV-2 é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.


Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade