UAI
Publicidade

Estado de Minas GREVE EM BH

Condutor de aplicativo deixa passageiro esperar até preço aproximar de táxi

Mesmo a boa oferta de passageiros nas estações, com a greve dos rodoviários, motoristas de aplicativos esperam por boas corridas e deixam passageiros na espera


23/11/2021 10:53 - atualizado 23/11/2021 11:58

espera sendo o dobro e buscando motoristas longe por causa da greve dos rodoviários estação eldorado
Passageiros entre os ônibus em greve aplicativos aguardando melhoras de preços (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
escassez de ônibus com a greve dos rodoviários de Belo Horizonte, nesta terça-feira (23/11) refletiu em prejuízos de tempo de deslocamento, mas também para o bolso dos passageiros. Mesmo que procurou corridas de aplicativos não conseguiu atrair motoristas com as tarifas mais baixas, tendo de quase dobrar os custos, chegando a preços similares aos de táxis.

A reportagem do Estado de Minas simulou corridas das duas grandes estações do BRT/Move de BH, a de São Gabriel e a da Pampulha, até a Praça 7 para testar mais esse calvário dos usuários de ônibus da capital mineira.

Um dos mais problemáticos foi o trajeto da Estação Pampulha para a Praça 7. Os dois mais populares aplicativos que funcionam em BH indicavam espera por um motorista parceiro de 3 minutos e 32 minutos de deslocamento, o que seria 20% mais lento que o normal de uma terça-feira, às 10h.

O valor cobrado pelos veículos de categoria mais simples indicavam custo de R$ 19, enquanto os táxis chegam a R$ 40. Contudo, a reportagem mais do que dobrou o tempo de espera e só conseguiu um veículo quando mudou a categoria de carro, bem como o preço, que chegou a R$ 29,53, se aproximando dos táxis. muitos condutores têm veículos que podem operar em várias categorias.

Ver galeria . 14 Fotos Com o fracasso da rodada de negociações de segunda-feira, a greve dos rodoviários de Belo Horizonte continua hoje (23/11). Na foto, situação na Estação São Gabriel e no entorno: catracas fechadas, metrô lotado e trânsito carregadoJair Amaral/EM/DA Press
Com o fracasso da rodada de negociações de segunda-feira, a greve dos rodoviários de Belo Horizonte continua hoje (23/11). Na foto, situação na Estação São Gabriel e no entorno: catracas fechadas, metrô lotado e trânsito carregado (foto: Jair Amaral/EM/DA Press )


A espera foi de 6 minutos e 20 segundos pelo veículo de aplicativo mais em conta, sendo que a oferta de corrida aos parceiros do sistema ampliou o escopo de buscas várias vezes, chegando a bairros distantes como o Jaraguá, Santa Mônica e até ao São João Batista, em Venda Nova.

reprodução de aplicativo com tempo de espera sendo o dobro e buscando motoristas longe por causa da greve dos rodoviários
Aplicativos mais que dobraram o tempo de espera e mesmo assim só aceitavam corridas caras (foto: Reprodução)


Dificuldades que se repetiram no trajeto entre a Estação São Gabriel a Praça 7. mais uma vez a espera seria de 3 minutos, com uma estimativa de 16 minutos de deslocamento, 25% mais lento que o normal de uma terça-feira, às 11h.

Os aplicativos variaram bastante, de R$ 15,03 a R$ 24,93, enquanto os táxis cobraram R$ 32. Mas, novamente, a espera foi mais longa, também mais do que o dobro do normal e o escopo de busca do aplicativo também foi ampliado várias vezes enquanto motoristas parceiros recusavam as corridas, chegando a ocorrer ofertas para condutores próximos ao Minas Shopping e Bairro União.

motorista de aplicativo carlúcio Araújo espera sendo o dobro e buscando motoristas longe por causa da greve dos rodoviários
Motorista de aplicativo conta que certas corridas não compensam, mas plataforma pune quem abusa (foto: Carlúcio Araújo)


O administrador Carlúcio Rodrigues Araújo, de 40, é também motorista de aplicativo e compara a viabilidade de cada corrida. "O valor do combustível está muito alto e é o principal componente dos nossos custos.

"Se eu precisar rodar cinco quilômetros para buscar um passageiro e o deslocamento dele for de três quilômetros eu teria de pagar do meu bolso cinco quilômetros para ganhar em cima de três e isso não compensa. É preferível cancelar ou, no caso dos aplicativos que descrevem o destino, a gente nem pega a corrida", afirma.

As recusas dos motoristas de aplicativos podem acabar refletindo em suas avaliações e gerar punições, o que acaba forçando muitos a cumprir corridas que não compensam tanto.

"As plataformas nos permitem cancelar certas corridas  em áreas de risco ou distantes demais. se o motorista fica muito abaixo na classificação, rejeitando muitas corridas, acabar sendo penalizado e recebe menos acionamento, podendo até ser suspendenso por um dia ou mais", diz Carlúcio.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade