UAI
Publicidade

Estado de Minas ATAQUE

Novo cangaço em Varginha: saiba como a polícia descobriu a atuação do grupo

Troca de tiros em sítios de cidade no Sul de Minas resultou em 25 mortes de suspeitos de tentativa de assalto


31/10/2021 15:14 - atualizado 31/10/2021 18:45

mesa da coletiva de imprensa com * Inspetor Rodrigo Diniz Costa - chefe do Comando de Operações Especiais da PRF em MG * Inspetor Aristides Junior - chefe da Comunicação Social PRF em Minas * Tenente-coronel Marcos Serpa de Oliveira - comandante do 24° Batalhão de Polícia Militar , em Varginha * Tenente-coronel Rodolfo César Morotti Fernandes - comandante do BOPE * Dra Renata Fernanda Gonçalves de Rezende - PC
Coletiva de imprensa em Varginha sobre desmantelamento de quadrilha de "domínios de cidades", modalidade criminosa popularmente conhecida como "novo cangaço" (foto: PMMG/Facebook)

Autoridades envolvidas na operação contra integrantes de um grupo de criminosos especializados na prática do chamado “novo cangaço”, em Varginha, no Sul de Minas, deram detalhes sobre o caso no início desta tarde (31/10). 
A ação, na madrugada deste domingo, deixou 26 bandidos mortos. 

O tenente-coronel Marcos Serpa de Oliveira, comandante do 24° Batalhão de Polícia Militar explicou que a instituição recebeu as informações por meio de denúncia anônima de um possível ataque. "Chega bastante denúncia e informações da comunidade, até mesmo pelo 190, ao ver movimentação estranha pelo local”, disse. "A quadrilha era fortemente armada e, por isso, tivemos apoio de uma equipe especializada”, acrescentou.

O tenente-coronel Rodolfo César Morotti Fernandes, comandante do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), explicou que o primeiro passo foi saber da movimentação dessa quadrilha. “Conseguimos saber de sítios e chácaras que possivelmente são usadas por quadrilhas. Locais com muita movimentação de veículos e sem festas”, afirmou.

Segundo Rodolfo, a quadrilha costuma ter muitos integrantes. “Estudamos quais iam ser as estratégias da quadrilha. No momento da abordagem, fomos recebidos a tiros que precisamos revidar”, afirmou. “Foi uma ação que poderia dar muitos danos a sociedade e teve uma resposta satisfatória”

A operação resultou na morte de 26 criminosos e  apreensão de armas e bombas . O inspetor Aristides Junior, chefe da Comunicação Social da Polícia Rodoviária Federal em Minas, fez questão de reforçar que a polícia já investigava o grupo há mais tempo. “Não é uma operação de 24 horas. É uma operação planejada, muito bem estruturada inclusive para evitar que a ação dos criminosos acontecesse”, afirmou.

Leia:  Arsenal de quadrilha morta em operação no Sul de Minas é de guerra, diz PM

Segundo a polícia, as 26 pessoas que perderam a vida entraram em confronto com os policiais. “Infelizmente perderam a vida, mas ainda prefiro que eles tenham perdido a vida do que um de nossos policiais. A ideia era fazer a prisão, mas a partir do momento que eles vão pra cima das equipes policiais, houve o confronto”, afirmou Aristides Junior, que afirma que os homens teriam equipamentos de guerra capazes de inclusive derrubar helicóptero. “A ideia desses criminosos era fazer uma grande ação que poderia trazer números desastrosos.”


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade