UAI
Publicidade

Estado de Minas INDENIZAÇÃO

Brumadinho: acordo é firmado com familiares de todos os trabalhadores

Ao todo, entes de 250 empregados, próprios da Vale ou terceirizados, já acertaram indenização com a mineradora pela morte dos trabalhadores


08/10/2021 22:39 - atualizado 09/10/2021 09:08

Homem observa lama após tragédia na Grande BH
Rompimento da Barragem B1, em Brumadinho, ocorreu em janeiro de 2019 (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Familiares dos trabalhadores que morreram no rompimento da Barragem B1, da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, Região Metropolitana de Belo Horizonte, já fecharam acordo de indenização com a mineradora Vale. Segundo a empresa, o acerto foi feito com entes dos 250 empregados, próprios da empresa ou terceirizados.

A empresa contabiliza mais de 680 acordos trabalhistas, que correspondem a R$ 1,1 bilhão e que envolvem 2,4 mil pessoas. As indenizações, segundo a Vale, têm como base o acordo assinado com o Ministério Público do Trabalho (MPT), com participação dos sindicatos.

Os pais dos trabalhadores, cônjuges ou companheiros(as), além dos filhos, estão recebendo pagamento de dano material e seguro adicional por acidente de trabalho, adicionado aos acordos fechados por dano moral. Segundo a Vale, os filhos que possuem até 3 anos recebem auxílio creche, enquanto aqueles que têm de 3 a 25 anos estão sendo amparados com o auxílio educação.

A mineradora também afirmou que está garantindo plano de saúde aos cônjuges ou companheiros e aos filhos até 25 anos.

"No total, entre cíveis e trabalhistas, já foram firmados 5,5 mil acordos, envolvendo 11,2 mil pessoas, o que resultou no pagamento de mais de R$ 2,4 bilhões. Os números reafirmam o compromisso da Vale em indenizar de forma rápida e definitiva todos aqueles que sofreram algum impacto pelo rompimento da barragem ou pelas evacuações", disse, em nota, a companhia.

Além dos acordos, a Vale também disse que criou um programa para dar assistência psicossocial aos indenizados. O Programa de Assistência Integral ao Atingido (PAIA) também oferece apoio à compra de imóveis, planejamento e educação financeira e retomada produtiva urbana e rural.

A mineradora informou que a adesão ao PAIA é voluntária e que cerca de 45% dos indenizados já se inscreveram no programa. Quase 4 mil pessoas já foram atendidas.

Ao todo, 262 pessoas que morreram em decorrência do rompimento da barragem já foram identificadas. Oito vítimas continuam desaparecidas.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade