Publicidade

Estado de Minas JULGAMENTO

Acusado de mandar matar mulher por causa de seguro é absolvido

Homem de 50 anos foi preso em 2017 apontado como responsável por encomendar a morte da esposa, que tinha 46 anos. MPMG falou em falta de provas


04/08/2021 11:17 - atualizado 04/08/2021 12:10

Momento em que a juíza lê a sentença determinando a absolvição do réu(foto: TJMG/Divulgação)
Momento em que a juíza lê a sentença determinando a absolvição do réu (foto: TJMG/Divulgação)


A Justiça mineira absolveu Edson Vieira Maciel, de 50 anos, acusado de ser o mandante do assassinato da esposa, Rosemary dos Santos Vieira, de 46 anos, em abril de 2017 na porta da casa deles, no Bairro Bandeirantes, Região da Pampulha, em Belo Horizonte. 

O construtor foi a júri popular nessa terça-feira (3/8), no Fórum Lafayette, Região Centro-Sul da capital. A sessão foi presidida pela juíza Fabiana Cardoso Gomes Ferreira, com o promotor do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) Cristian Lúcio da Silva na acusação e os advogados Leon Bambirra Obregon Gonçalves e Dorcas Marques Almeida na defesa do réu. O conselho de sentença foi formado por quatro mulheres e três homens. 

O crime ocorreu em 18 de abril de 2017. A Polícia Militar (PM) informou na época que o filho da vítima chegou da faculdade às 22h30 de carona com um amigo e viu uma motocicleta parada na esquina da rua. Alguns minutos depois, ele e o marido da vítima escutaram cerca de quatro tiros e foram até o portão da casa, onde encontraram Rosemary dos Santos Vieira, de 46 anos, baleada dentro do veículo de propriedade da mulher. 

Edson chegou a levar Rosemary para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da região, mas ela morreu. As investigações da Polícia Civil tiveram início e Edson acabou preso em agosto daquele ano. Segundo a instituição, os depoimentos das testemunhas descartaram a possibilidade de uma tentativa de assalto. O homem que atirou contra Rosemary também foi identificado. 

A vítima e o acusado estavam juntos há mais de 20 anos. "Aduz que o crime foi cometido por motivo torpe, consistente no inconformismo do denunciado Edson com as desavenças atreladas a questões financeiras do casal e objetivando se beneficiar do seguro de vida que a vítima contratara poucos meses antes do homicídio, além do fato de que a ofendida pretendia a separação", consta no processo. Na época, Edson negou o crime. 

Sete testemunhas foram ouvidas na sessão, entre elas um dos filhos do casal, que depôs a favor do pai. 

Em plenário, o promotor Cristian Lúcio da Silva disse que as investigações apontaram que o crime foi cometido por alguém que queria a morte da vítima. Mas, Silva não se convenceu de que as provas corroborem o indiciamento de Edson como mandante do crime. Assim, ele pediu que os jurados votassem “não” em relação ao crime  ter sido encomendado pelo construtor, pedindo assim, a absolvição. 

No julgamento, Edson negou mais uma vez ter mandado matar Rosemary. Ele contou o que aconteceu no dia do crime e contou que socorreu a mulher, que era gerente de uma rede de farmácias, com a ajuda de vizinhos, já que o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) estava demorando. “firmou ainda que a morte da esposa rebaixou o padrão de vida da família, uma vez que o salário dela era o principal componente da renda da família, e que não sabia de todos os seguros de vida que a esposa havia contratado”, relata o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). 

A defesa de Edson também sustentou a tese de que ele não encomendou a morte da esposa. Os advogados disseram acreditar que o crime foi a mando de alguém, mas que a polícia teria se baseado em elementos equivocados para conduzir as investigações, desconsiderando outras linhas. Eles também enfatizaram que os filhos do casal acreditam que o pai é inocente. 

O filho do casal que depôs disse no júri que a rotina da família em casa era tranquila, que não havia conflitos e afirmou não acreditar que o pai foi o mandante do crime. 

Lida a sentença, a juíza determinou a expedição do alvará de soltura de Edson Vieira Maciel. O outro réu do processo é o suposto executor de Rosemary. Segundo o TJMG, ele também foi pronunciado, mas como recorreu da sentença, o processo foi desmembrado. Ainda não há informações sobre quando ele será julgado. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade