Publicidade

Estado de Minas ESTADO EM CHAMAS

Minas tem julho com mais focos ativos de incêndio dos últimos 14 anos

Na comparação com o mesmo mês de 2020, o estado quase dobra os registros. Dados acendem o alerta para o período entre agosto e outubro


27/07/2021 22:51 - atualizado 27/07/2021 22:51

Militares combatem incêndio em Indianópolis (MG)(foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros)
Militares combatem incêndio em Indianópolis (MG) (foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros)
Julho ainda não terminou, mas Minas Gerais já totaliza o maior número de focos ativos de incêndios dos últimos 14 anos para o mês. De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o estado computa 1.060 registros neste mês – o maior número desde 2007, quando o Inpe atestou 1.429.

Esse dado acende o alerta para o que pode acontecer entre agosto e outubro, o ápice histórico da temporada de incêndios no estado. Sobretudo, em setembro, quando o Inpe registra o maior número de focos ativos em média.

 

Foi justamente neste trimestre de chamas que Minas registrou uma de suas maiores ocorrências do tipo.

 

Em outubro do ano passado, brigadistas, bombeiros e voluntários batalharam contra o fogo por duas semanas na Lapinha da Serra, distrito de Santana do Riacho, Região Central doo estado.

 

E o consolidado de 2021 mostra que este ano pode ser de muito trabalho para os bombeiros e brigadistas: somente em fevereiro Minas não superou o total de focos ativos por mês em relação a 2020.

Em junho, o Inpe enumerou 519 registros, o maior total desde 2010. Em maio, novamente acima da média: 382, consolidado só superado em 2007.

No ano como um todo, Minas registra 2.477 focos ativos de incêndio, conforme o Inpe. Esse número é atualizado diariamente com a situação do dia anterior, portanto o dado é até essa segunda (26/7).

Triângulo em chamas

Nesta terça (27/7), os bombeiros tiveram trabalho para apagar o fogo que atingiu uma vegetação em Indianópolis, no Triângulo Mineiro.

Um trator com tanque de água da prefeitura local precisou ajudar a corporação. Ainda assim, 15 mil metros quadrados foram queimados.

Ainda no Triângulo, os bombeiros apagaram dois incêndios em vegetação em Araguari: um no Bairro Vieno e outro no Milenium.

Nesse segundo local, os militares tiveram dificuldades para apagar as chamas porque havia muito lixo e entulho no local. Eles gastaram 200 litros de água e usaram abafadores.

Como evitar incêndios?

Historicamente, os bombeiros informam que 99% das ocorrências de incêndio em vegetação têm o crime como causa. São pessoas que colocam fogo voluntária ou involuntariamente na mata.

Diante de tal problema, a corporação orienta a população para não jogar cigarros acesos na vegetação. Isso acontece com frequência em matas próximas a rodovias, onde os motoristas arremessam as guimbas pela janela.

Vale o alerta também para as fogueiras. Caso acenda uma, a orientação é para limpar bem o local e retirar completamente a vegetação em volta, de preferência em lugar aberto.

Não descartar lixo em locais inapropriados e a soltura de balões (o que é ilegal) também complementam as dicas para evitar o risco.

Em caso de incêndio, a população deve acionar os bombeiros pelo 193. Para denunciar uma pessoa por causar um foco ativo, o telefone é o 190.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade