Publicidade

Estado de Minas No rastro das cinzas

A natureza renasce em Lapinha da Serra, após incêndio dramático

Coleta de dados para inventário de espécies afetadas por incêndio em Lapinha da Serra, a 142 km de BH, é acompanhada pelo EM, que clicou o ressurgimento da rara flora local


21/10/2020 06:00 - atualizado 21/10/2020 07:47

(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)


Duas semanas após ser debelado um dos maiores incêndios registrados em Lapinha da Serra, distrito de Santana do Riacho, na Serra do Cipó, a 142 quilômetros de Belo Horizonte, o Estado de Minas acompanhou no domingo, com exclusividade, a coleta de dados e informações que vão compor um catálogo de espécies destruídas pelas chamas. O trabalho é, também, essencial para as investigações sobre a origem do fogo, que pode ter sido criminoso numa área de preservação de grande valor do ponto de vista da diversidade ambiental na região Central de Minas Gerais.

Ver galeria . 40 Fotos Entre pedras e trincas do chão calcinado,a chuva cuida de fazer brotar de novo a vegetação em áreasrecentemente castigadas porincêndios, como a Lapinha da Serra, na região da Serra do Cipó, onde começa a ressurgir o verde no que restou de exemplares de espécimes como canelas-de-ema, bromélias entre outrasLeandro Couri/EM/DA Press
Entre pedras e trincas do chão calcinado,a chuva cuida de fazer brotar de novo a vegetação em áreasrecentemente castigadas porincêndios, como a Lapinha da Serra, na região da Serra do Cipó, onde começa a ressurgir o verde no que restou de exemplares de espécimes como canelas-de-ema, bromélias entre outras (foto: Leandro Couri/EM/DA Press )


Durante todo o dia, o coordenador da Brigada Voluntária da Lapinha, Cristiano Reis, e o vigia da área da cachoeira do Bicame, Gilson Barreto,  além de autoridades envolvidas na investigação sobre o incêndio, coletaram provas para o inventário da destruição. Nos milhares de hectares castigados pelas chamas, o EM constatou que a natureza já começa a dar indícios de recuperação.

"A ideia é reunir o maior número de informações possíveis sobre o episódio (o incêndio) para que não haja outros"

Cristiano Reis, coordenador da Brigada Voluntária da Lapinha

São espécies da flora chamuscadas, entre elas canela-de-ema, sempre-vivas, orquídeas, araticum, catuaba, caju-do-cerrado, bromélias, margaridas, cactos, ipês e quaresmeiras, além de uma variedade de líquens coloridos que brotam sobre as pedras, todas elas marcadas pelo fogo.

Houve vários focos de incêndio nas áreas das cachoeiras Virgolino e do Vale do Soberbo, que deixaram cenário de destruição
Houve vários focos de incêndio nas áreas das cachoeiras Virgolino e do Vale do Soberbo, que deixaram cenário de destruição


“A ideia é reunir o maior número de informações possíveis sobre o episódio para que não haja outros”, conta Cristiano, que, em missão pós-guerra, catalogou cada espécie e cada animal encontrado. Ao refazer o caminho do fogo, de acordo com os inventariantes, foi possível identificar indícios do número de animais de pastagem que passaram por ali.

O fogo teve início na trilha da cachoeira do Bicame e se alastrou por milhares de hectares da área preservada na Serra do Cipó(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
O fogo teve início na trilha da cachoeira do Bicame e se alastrou por milhares de hectares da área preservada na Serra do Cipó (foto: Leandro Couri/EM/DA Press)


O tráfego de animais, que não poderia ter ocorrido em área de preservação, é um dos possíveis motivos de ateamento criminoso do fogo. Segundo o fiscal local, que pede sigilo nas investigações, “só pelo fato de alguém estar por estas terras, sendo que elas estão fechadas por conta de cinco dias de intensos incêndios, pra nós já é uma atitude suspeita e que vamos investigar.” No ensaio fotográfico, a beleza do cerrado se apresenta, renascendo das cinzas na área da cachoeira do Bicame, que fica a 10 quilômetros da vila da Lapinha da Serra.

A natureza brota da terra esturricada duas semanas depois do árduo controle das labaredas por bombeiros e voluntários(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
A natureza brota da terra esturricada duas semanas depois do árduo controle das labaredas por bombeiros e voluntários (foto: Leandro Couri/EM/DA Press)


O inventário de animais e da flora destruídos pelo fogo será usado para embasar as investigações sobre as causas do incêndio(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
O inventário de animais e da flora destruídos pelo fogo será usado para embasar as investigações sobre as causas do incêndio (foto: Leandro Couri/EM/DA Press)


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade