Publicidade

Estado de Minas DENÚNCIA

Família é presa por manter pacientes em clínica interditada em MG

Polícia Civil encontrou seis pessoas internadas em cárcere privado; local foi interditado no fim do mês passado com pacientes infectados pela COVID-19


16/07/2021 22:43 - atualizado 16/07/2021 22:49

Dono de clínica interditada foi detido após manter pacientes internados(foto: PCMG)
Dono de clínica interditada foi detido após manter pacientes internados (foto: PCMG)
A Polícia Civil de Minas Gerais, em ação conjunta com o Ministério Público Estadual e a Polícia Militar, prendeu três integrantes de uma mesma família suspeitos de manter pessoas internadas em uma clínica de reabilitação em Elói Mendes, no Sul de Minas. O local foi interditado após denúncia de maus-tratos. O dono da clínica estava entre os detidos.
 
De acordo com a Polícia Civil, seis pessoas estavam sendo mantidas em cárcere privado em uma clínica de reabilitação, na zona rural da cidade, que foi interditada após denúncia de maus-tratos.
 
“Em conversa com essas pessoas, elas relataram que foram sequestradas de suas casas e levadas à força para o centro terapêutico, por funcionários do local, e com apoio de familiares”, informou a Polícia Civil.
 
Os mesmos pacientes tinham sido resgatados no fim do mês passado, quando o local foi interditado judicialmente. Durante a ação, 63 pessoas foram retiradas do local e encaminhadas aos familiares. Segundo a Polícia Civil, os suspeitos sequestravam e mantinham as pessoas em cárcere privado.
 
A Polícia Civil voltou ao local e prendeu em flagrante três homens responsáveis pela clínica, entre eles, o dono do local. “O irmão dele, que atua como ‘terapeuta’, mas agredia fisicamente os internos, e um sobrinho do proprietário que atuava como monitor, responsável pela fiscalização dos internos”, afirma.
 
A polícia informou ainda que uma das vítimas tinha mais de sessenta anos e, além da privação da liberdade, sofria grave sofrimento físico e moral.
 
Os três presos em flagrante foram levados para a delegacia de Elói Mendes e, na sequência, tiveram a prisão preventiva decretada. De acordo com a polícia, eles são suspeitos pelos crimes de sequestro e cárcere privado triplamente qualificado e integração de organização criminosa.
 
Um quarto envolvido, filho do dono do local, também foi levado para a delegacia por atrapalhar o trabalho da polícia. “Ainda, um quarto indivíduo foi enquadrado no crime de embaraço à atividade fiscalizatória do Ministério Público e da Polícia Civil, previsto no Estatuto do Idoso. Ele tentou coagir um senhor de 75 anos a permanecer no centro, logo após o momento em que o delegado de polícia disse ao idoso que ele teria de sair daquele local, e acompanhar as autoridades. O homem foi conduzido à delegacia para os procedimentos de praxe e, por se tratar de crime de menor potencial ofensivo, foi liberado”, ressalta.
  


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade