Publicidade

Estado de Minas AJUDA DE R$ 500

Para evitar quebra do comércio, cidade mineira cria auxílio emergencial

Valor será distribuído para donos de academias, bares, lanchonetes e restaurantes com o objetivo de amenizar os impactos da pandemia


12/07/2021 19:20 - atualizado 12/07/2021 19:46

Uma das entradas de Ponto dos Volantes, exposta no site oficial da prefeitura(foto: Reprodução/Prefeitura de Ponto dos Volantes)
Uma das entradas de Ponto dos Volantes, exposta no site oficial da prefeitura (foto: Reprodução/Prefeitura de Ponto dos Volantes)
Para evitar que o comércio "quebre de vez", a prefeitura de uma cidade mineira decidiu criar um auxílio emergencial de R$ 500 para donos de bares, restaurantes e demais atividades que serão obrigadas a ficar fechadas até o dia 25 de julho. O palco da iniciativa é Ponto dos Volantes, cidade com 12 mil habitantes no Vale do Jequitinhonha.
 
O auxílio já foi aprovado e a lei, sancionada. Basta ao comerciante apenas procurar a gestão municipal para pedir o benefício. "Todos somos responsáveis. Por isso é preciso dividir a conta. Não podemos fazer com que apenas uma parcela da sociedade (nesse caso, os comerciantes) arque com todos os prejuízos", afirma ao Estado de Minas o prefeito da cidade, Leandro Santana (PSDB).
 

Como pedir? 

 
Para ter acesso ao benefício, o comerciante deve ter o cadastro ativo no município, ter todos os alvarás de funcionamento e assinar um termo de comprometimento através do qual garante que vai cumprir o decreto que está em vigor.
 
"Caso o comerciante não tenha condições de fazer a inscrição municipal, será encaminhado à Secretaria de Assistência Social, onde passará por uma avaliação. Ele deve apresentar notas de compra de produtos do seu estabelecimento dos últimos três meses", explica Santana.
 
Após essa verificação, e se tudo estiver em ordem, o comerciante receberá um alvará de funcionamento provisório de 45 dias, para que possa receber os R$ 500 e regularizar o estabelecimento.
 
O benefício será pago em parcela única ao final dos 15 dias de fechamento, após a averiguação de não houve nenhuma irregularidade ou infração cometida pelo local. A prefeitura não descarta ampliar o pagamento do auxílio caso a situação não melhore.

Decreto mais restritivo

Uma das motivações para a criação do auxílio foi o momento pelo qual passa a cidade: até o dia 25 de julho, estão em vigor regras mais rígidas para evitar a propagação da COVID-19. Nada de bar e restaurante aberto, apenas delivery e sem venda e consumo de bebida alcoólica no município.
 
Comércio considerado essencial só pode ficar aberto até às 20h, e o considerado não-essencial, até às 18h.

Ponto dos Volantes tem, segundo o prefeito, 52 casos ativos de COVID-19 e quatro pessoas estão intubadas no hospital de Itaobim, referência de atendimento para o município. Nesta segunda-feira (12/7) a administração confirmou a 20ª morte, de uma paciente de 93 anos que morava na Comunidade do Pé Enxuto.
 
Levantamento feito pela reportagem estima que ao menos 480 pessoas já se contaminaram com o novo coronavírus desde o início da pandemia.
 
Os dados do Vacinômetro do governo estadual apontam que 4.442 pessoas receberam a primeira dose da vacina contra COVID-19 na cidade, 1.476 a segunda, e 36 foram imunizadas por dose única. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade