Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Produção de vacinas contra o coronavírus parou por falta de insumos

Tanto a Fiocruz, responsável pela produção da AstraZeneca, quanto o Instituto Butantan, que fabrica a Coronavac, registraram atraso na chegada do IFA


30/05/2021 06:00 - atualizado 30/05/2021 08:11

(foto: Fiocruz/Divulgação)
(foto: Fiocruz/Divulgação)
O ritmo de distribuição de doses da CoronaVac e do imunizante da AstraZeneca diminuiu no Brasil por causa da falta do ingrediente farmacêutico ativo (IFA), usado na fabricação da substância. No último dia 20, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) se viu obrigada a suspender a produção da AstraZeneca, que só foi retomada na última terça-feira. O carregamento de insumos que era aguardado chegou no Brasil no dia 22.

Também na terça-feira, chegaram no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, 3 mil litros de IFA para que o Instituto Butantan produza 5 milhões de doses da CoronaVac. A fabricação estava suspensa desde 14 de maio. Em nota, a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) disse que a capital mineira está com a vacinação em dia das pessoas que tomaram os imunizantes AstraZeneca e CoronaVac e que, inclusive, mantém reserva de doses da CoronaVac para a aplicação de reforço do público vacinado.

Nesta semana, está sendo completado o esquema vacinal dos trabalhadores da saúde de 42 a 39 anos que receberam a CoronaVac. Ainda em nota, o Executivo municipal esclareceu que a aplicação em prazo superior aos 28 dias indicados para a segunda dose não compromete a eficácia da vacina.

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) destacou que orienta os municípios para que seja realizada a busca ativa de pessoas que necessitam tomar a segunda dose da vacina. “A orientação é para que os agentes comunitários (AC) façam a busca ativa dessas pessoas, já que têm contato direto com o usuário e é uma ação importante em todas as campanhas de vacinação e, especialmente, neste momento”, afirmou.

A pasta também informou que envia aos municípios formulário para preenchimento referente ao quantitativo de doses necessárias para completar o esquema vacinal. Após levantamento de dados, o governo estadual envia ofício ao Programa Nacional de Imunização (PNI), solicitando que o Ministério da Saúde recomponha o estoque de imunizantes relativos à segunda dose para os municípios afetados.

“Para que toda a população possa ter seu esquema vacinal completo, no início de maio a SES-MG entrou em contato com as regionais de Saúde para o levantamento de estimativa do quantitativo de doses 2 faltantes junto a todos os municípios do estado. A secretaria identificou, por meio de declaração dos territórios, 371 mil doses faltantes, referentes à aplicação da 2ª dose. De 5/5 até 25/5, já foram enviadas aos municípios mais de 417 mil doses da CoronaVac, o que seria suficiente para complementação do esquema vacinal”, observou. Ainda de acordo com a SES-MG, a eficácia das vacinas se dá após a administração das duas doses e que, mesmo em atraso, a recomendação é para que o esquema vacinal seja completado com a aplicação dupla. (MA)


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade