Publicidade

Estado de Minas INVESTIGAÇÃO

Presos dois dos três executores de mulher morta na frente do filho

Crime aconteceu na noite desta quarta-feira (31/03) e polícia prendeu dois dos três executores em menos de 24 horas


01/04/2021 15:48 - atualizado 01/04/2021 17:19

Delegada Michelle Campos preside inquérito sobre assassinato brutal de mulher no Ribeiro de Abreu(foto: PCMG)
Delegada Michelle Campos preside inquérito sobre assassinato brutal de mulher no Ribeiro de Abreu (foto: PCMG)

O assassinato de uma mulher, Neide Anne Pereira Amorim, de 27 anos, ocorrido na noite de quarta-feira (31/03), no apartamento em que ela morava, no Bairro Ribeiro de Abreu, emprestado pela tia, começa a ser esclarecido pela Polícia Civil.

Menos de 24 horas depois do crime, policiais civis e militares conseguiram prender dois dos três executores. Um deles, um menor de 16 anos, é irmão da vítima. O outro é um homem  de 31 anos. O terceiro envolvido, um homem de 34 anos, também parente da vítima, é primo e está foragido. Ela foi executada em frente ao filho de 8 anos, a golpes de uma barra de ferro e facadas.

Segundo a delegada Michelle Campos, a vítima estava em casa com um irmão mais velho e o filho, quando seu irmão de 16 chegou, acompanhado de outros dois homens. Era por volta das 16h. Imediatamente tiveram início as agressões.

 

“Os suspeitos a assassinaram com várias facadas, tendo a arma quebrado dentro da vítima, além de atingi-la na cabeça com uma barra de ferro”, diz a delegada. Ainda segundo ela, o irmão mais velho foi imobilizado pelos agressores.  

 

Depois de consumar o homicídio, os autores roubaram dois aparelhos celulares que pertenciam à vítima, R$ 160 em dinheiro, a carteira com documentos e as chaves de uma residência dela, localizada no Bairro Tupi.

 

“A partir das informações, realizamos os primeiros levantamentos e, com apoio da Polícia Militar, realizamos a prisão e a apreensão na mesma região. Foi uma operação integrada que resultou numa ação rápida e efetiva da polícia contra um crime tão bárbaro”, diz o delegado Frederico Abelha, chefe da Divisão de Especializada em Investigação de Crimes Contra a Vida (DICCV) do Departamento Estadual de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

 

A PCMG apurou até o momento que o foragido de 34 anos devia dinheiro à vítima, que não tinha antecedentes criminais. O valor, que não foi divulgado, seria oriundo do tráfico de drogas, o que teria motivado o crime. O foragido tem passagens na polícia, pelos crimes de receptação, associação criminosa e roubo. Já o homem de 31 anos, por furto. Ele foi encaminhado para o sistema prisional e o adolescente para o sistema socioeducativo.

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade