Publicidade

Estado de Minas RESTRIÇÕES

Com restrições impostas, movimento em locais de caminhada em BH é pequeno

Apesar das restrições, registramos na Pampulha movimento na pista de caminhada na orla


20/03/2021 09:13 - atualizado 20/03/2021 11:52

Na Pampulha, maior presença era dos ciclistas(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
Na Pampulha, maior presença era dos ciclistas (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
Com o fechamento das praças e pistas de caminhada em Belo Horizonte, medida tomada pelo prefeito Alexandre Kalil (PSD) para tentar conter a disseminação do novo coronavírus, a reportagem do Estado de Minas percorreu alguns dos mais tradicionais pontos utilizados por quem busca o exercício ao ar livre, na manhã deste sábado (20/03). Em alguns locais, poucas pessoas se exercitando.

Na pista de caminhada do Mangabeiras, algumas pessoas caminhavam aos pares(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
Na pista de caminhada do Mangabeiras, algumas pessoas caminhavam aos pares (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
Na pista de caminhada da Avenida José do Patrocínio Pontes, no Mangabeiras, Região Centro-Sul, algumas pessoas caminhavam aos pares, mas sem aglomeração. Perto dali, na Avenida Agulhas Negras, que liga a Praça da Bandeira à Praça do Papa, não havia ninguém se exercitando.

A Avenida Agulhas Negras, que liga a Praça da Bandeira à Praça do Papa, estava vazia(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
A Avenida Agulhas Negras, que liga a Praça da Bandeira à Praça do Papa, estava vazia (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
Na Pampulha, onde, mesmo durante a pandemia, já foram flagradas grandes aglomerações, o movimento de pedestres estava fraco. Em maior volume, os ciclistas circulavam a lagoa em grupos. Em alta velocidade, não foi possível conversar com os grupos.

Na Rua Guaicurus, no Centro de BH, movimento estava bem fraco(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
Na Rua Guaicurus, no Centro de BH, movimento estava bem fraco (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
A Guarda Municipal de Belo Horizonte estava presente por todas as regiões visitadas pela reportagem, que ão presenciou nenhuma abordagem. De forma geral, as pessoas que circulavam pelas ruas, no Centro e nos bairros usavam a máscara.

Desde o último sábado (13/03), a Prefeitura de Belo Horizonte adotou várias medidas para reduzir a circulação de pessoas nas ruas. Além de fechar praças e parques, foi determinado um funcionamento ainda mais restrito do comércio, com o fechamento das lojas de construção civil, escolas de dança e arte, carros de lanches, restaurantes (funcionando apenas por delivery), lojas de conveniência (abertas de segunda a sexta até as 18h), igrejas e templos (abertos, mas sem celebrações).

Na quarta-feira (17/03), todos os municípios de Minas Gerais passaram a obedecer às regras da onda roxa do programa Minas Consciente, do governo estadual. Trata-se da fase mais restritiva, com adesão obrigatória, que impôs, entre outras medidas, o toque de recolher das 20h às 5h. Durante esse horário, só podem funcionar serviços essenciais.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade