Publicidade

Estado de Minas Investigação

Polícia esclarece crime de sequestro mediante extorsão em Buenópolis

No ano passado, bandidos fizeram mulher, dois filhos de gerente e três vizinhos como refém


02/12/2020 19:53 - atualizado 02/12/2020 22:12


Os crimes de sequestro mediante extorsão e associação criminosa na cidade de Buenópolis, no norte de Minas Gerais, foi esclarecido pela Polícia Civil, com a prisão de seis suspeitos. Eles são apontados como responsáveis pelo sequestro do funcionário de uma instituição bancária, familiares e vizinhos deste.
 
Segundo a delegada Fabíola de Oliveira, da Delegacia Especializada Antissequestro da PCMG, o crime ocorreu em outubro do ano passado. “Os criminosos renderam a família do gerente de uma agência bancária em Buenópolis. Ele, a esposa e os dois filhos do casal, além de outras três pessoas que estavam no imóvel ao lado da residência do funcionário do banco. O gerente foi obrigado a se deslocar até o banco, na manhã seguinte, para retirar o dinheiro e para isso teve de acionar o tesoureiro da agência. Os familiares e demais vítimas teriam sido levadas por dois dos suspeitos, em um veículo, até então para lugar incerto, onde foram mantidos reféns. Após a entrega do dinheiro para um dos envolvidos no sequestro, que permaneceu em Buenópolis, as vítimas foram liberadas.”
 
Os mandados de prisão preventiva começaram a ser cumpridos na última segunda-feira (30/11). Três suspeitos foram presos no Bairro Jardim Vitória, em Belo Horizonte, Ribeirão das Neves e Buenópolis. Outros três já estavam presos pela prática de crimes diversos, inclusive extorsão mediante sequestro. Um deles foi preso em agosto deste ano, no Espírito Santo.
 
A delegada conta que a esposa, os filhos do gerente e os três vizinhos foram liberados em Belo Horizonte pelo grupo criminoso, depois de terem recebido o dinheiro. Ela ressalta que chamou atenção da equipe o sequestro dos vizinhos do gerente, já que no sequestro na modalidade conhecida por “sapatinho”, os suspeitos geralmente se limitam a manter a família como refém.
 
“Mas dessa vez eles decidiram pegar outras pessoas porque, no entendimento deles, seria uma forma de ameaça. E conseguiram levar o dinheiro, e de posse do valor exigido, liberaram as vítimas", conta a delegada.
 
Sobre a prisão ocorrida no Espírito Santo, a Dra. fabíola explica que "Esse homem foi responsável por manter a vigilância do lado de fora da casa. Era um foragido da Justiça com mais de 80 anos de prisão para ser cumprido. Além de ser flagrado por tráfico de drogas, ele também tinha mandado de prisão em aberto por crime de extorsão mediante sequestro cometido no exterior. Depois dessa prisão, a investigação teve continuidade até que os policiais civis conseguiram identificar os outros envolvidos e todos foram presos.”


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade