Publicidade

Estado de Minas QUINTO DIA

Incêndio na Serra do Cipó: combate às chamas só terá êxito com a reunião de forças

Especialistas e comunidade pedem ajuda para combater o maior incêndio que já houve na Serra do Cipó


01/10/2020 11:59 - atualizado 01/10/2020 12:42

Incêndio começou no último domingo (27)(foto: Leandro Couri/EM/D.A. Press)
Incêndio começou no último domingo (27) (foto: Leandro Couri/EM/D.A. Press)
No quinto dia de combate ao maior incêndio registrado na Serra do Cipó,  na Região Central do estado, brigadistas civis e militares, juntamente com toda comunidade local, traçam estratégias e, ao mesmo tempo, partem para o ataque para preservar um mínimo de vegetação do cerrado próximo às residências e nascentes que abastecem os distritos daquela região. Desde o domingo (27), ações foram pensadas e executadas para evitar um estrago ainda maior em todo o ecossistema.
 
Na frente comunitária, o grupo “Flexibilização Consciente da Serra do Cipó”, que já vinha atenta nas políticas locais por conta da pandemia de coronavírus, agora está toda voltada para a questão do incêndio. Além de atuar diretamente no combate, até mesmo com pessoas sem treinamento, mas que estão defendendo suas casas, lançaram campanha para arrecadar água e outros insumos para os combatentes da linha de frente.

Em suas redes e em grupos de aplicativos de mensagem, reportam que “os combatentes do fogo estão precisando de doações de água (1,5L o ideal), isotônico, água de coco, barras de cereais, paçoquinhas, frutas secas. Quem quiser doar pode deixar as doações no escritório de contabilidade da Imaculada (antigo bar do Joao da Viola) em frente a praça ou na portaria principal do parque (Areias)”. Uma conta jurídica também foi disponibilizada para depósito.
 
Brigadistas em ação(foto: Leandro Couri/EM/D.A. Press)
Brigadistas em ação (foto: Leandro Couri/EM/D.A. Press)
 
 
Sem descansar, desde a madrugada  desta quarta-feira (1), uma equipe de seis combatentes controlam focos no local conhecido como Travessão, que, segundo o ICMBio, tem a prioridade de ataque dado o número de focos registrados via satélite.

Neste momento, equipes estão apagando focos no Parque Nacional da Serra do Cipó e na APA Morro da Pedreira, que agora também está em chamas.  Segundo a nota, para evoluir no conhecimento da situação, “a estratégia será redefinida após sobrevoo de reconhecimento, a ser realizado na primeira hora da manhã”.
 
De um modo geral, de acordo com a atualização do dia, os dados indicam crescente aumento dos focos de calor no Setor Travessão, sensível diminuição no número de focos no setor Altamira; diminuição no Setor Capão-Confins-Caetana, porém ainda bastante focos ativos.

Outro recurso usado é o acionamento da aeronave Arcanjo 02 para o primeiro sobrevoo de reconhecimento dos setores do incêndio, bem como o  lançamento de água através do avião AirTractor nas frentes Travessão e Confins.

Efetivo de combatentes no dia 1º de outubro

 

Efetivo de Combate Instituição

 
51 Brigadistas (Rebio Mata Escura, Parque Nacionais da Serra do Cipó e Caparaó) ICMBio
18 Bombeiros Militares Bombeiros do Estado de Minas Gerais
12 Brigadistas Voluntários Comunidade da Serra do Cipó
01 Piloto Air Tractor; Empresa contrato Bombeiros
03 Apoios Operacionais da Operação de Combate Aéreo AirTractor Servidores ICMBio Cipó-Pedreira
04 Tripulação Helicóptero Arcanjo
02 Bombeiros do Estado de Minas Gerais

Cronograma da tragédia

 
O ICMBio Cipó-Pedreira, em parceria com o Corpo de Bombeiros e Voluntários,  tem divulgado diariamente os passos do combate, que começou no domingo (27). Desde então, uma rede de brigadistas voluntários e militares, juntamente com toda comunidade, atuam incessantemente no combate às chamas. Segundo apuração preliminar oficial, de acordo com os dados do satélite, o incêndio começou por volta das 18h30 de domingo, em uma  área externa do parque. 
 
Na madrugada do dia 28 foi feito o primeiro ataque ao fogo em um ponto localizado a 500 metros do limite do Parque Nacional da Serra do Cipó. Na mesma manhã, brigadistas se dirigiram para as áreas da Lagoa Dourada,  Várzea do Garrote e Capão dos Palmitos.
 
Na mesma noite, brigadistas do Esquadrão Altamira começam o deslocamento para conter a linha de fogo que segue para os Confins e, em seguida, seguiram para a comunidade de Altamira, ao Sul do abrigo do Garça, onde combateram o fogo a noite inteira.

Da manhã até o final da tarde de segunda, iniciaram as operações de combate feitas da base na portaria Areais pelo Esquadrão Serra do Cipó, sendo 11 Brigadistas, quatro Voluntários e 12 Bombeiros, entre eles a tripulação do Helicóptero Arcanjo.

Nesta terça-feira (29) o trabalho de combate recebeu o reforço de dois caminhões pipas fornecidos pela prefeitura de Santana do Riacho. Já na quarta-feira (30),o combate ao fogo prosseguia em ao menos quatro pontos distintos: Capão dos Palmitos, Confins, Altamira e Rio do Peixe.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade