Publicidade

Estado de Minas ESTELIONATO

Suspeito de acumular cerca de R$ 24 milhões em golpes é preso em BH

Ele estava hospedado há seis meses, em um apart-hotel. Uma transferência falsa de uma agência do Banco do Brasil em Miami, para pagar a hospedagem chamou atenção do gerente


postado em 19/06/2020 13:11 / atualizado em 19/06/2020 13:44

(foto: PCMG/Reprodução)
(foto: PCMG/Reprodução)
A  Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) divulgou, na manhã desta sexta-feira (19), detalhes sobre a operação que resultou na prisão em flagrante de um homem de 39 anos por estelionato. Ele estava hospedado há seis meses em um apart-hotel, que fica na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. 

No período em que permaneceu no apart-hotel, o suspeito não realizou nenhum pagamento de hospedagem, forjando transferências que não eram concluídas. O gerente do hotel foi quem acionou a PCMG após receber a informação do departamento financeiro de que o homem havia realizado uma transferência eletrônica (TED) falsa de uma agência do Banco do Brasil localizada em Miami, nos Estados Unidos.

Com o investigado, foram encontrados diversos documentos e extratos de empresas fantasmas, simulação de financiamentos de instituições bancárias, além de celulares e notebook que comprovam que ele está envolvido em outros golpes.

Estima-se que ele já tenha solicitado empréstimos que acumulam o montante de, aproximadamente, R$ 24 milhões, entre 2018 e 2020, em nome de diversas micro e pequenas empresas.

Ele realizava a intermediação entre microempresários e gerentes de instituições financeiras, e maquiava contratos sociais para ter acesso a parte dos montantes que eram disponibilizados por meio de programas do governo federal.

Na conta do suspeito, foi verificado o saldo de RS 200 mil em valores atuais, que estavam bloqueados pelo Banco Central. O suspeito já havia sido preso pela Polícia Federal em 2018, durante a operação “Mãos Limpas”. 

ENVOLVIMENTO DE OUTRAS PESSOAS 

 
As investigações apontam que membros de instituições financeiras e peritos avaliadores, entre outras pessoas estejam envolvidas nos crimes.

O homem foi encaminhado para a penitenciária e pode responder também por lavagem de dinheiro, crimes contra o sistema financeiro nacional, movimentação criminosa e falsidade ideológica. Um inquérito vai investigar outros membros da organização criminosa. 
 
* Estagiária sob supervisão da subeditora Ellen Cristie.  


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade