Publicidade

Estado de Minas

Infectologista confirma que hidroxicloroquina está em uso em hospitais de BH

Médico do Comitê de Combate à Pandemia de Coronavírus da PBH disse que o remédio está sendo usado em pacientes em estado moderado e grave


postado em 09/04/2020 17:27 / atualizado em 09/04/2020 17:45

Afirmação foi feita durante coletiva na tarde desta quinta-feira, na sede da Prefeitura de Belo Horizonte(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A. Press)
Afirmação foi feita durante coletiva na tarde desta quinta-feira, na sede da Prefeitura de Belo Horizonte (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A. Press)

Alguns hospitais de Belo Horizonte já estão utilizando a hidroxicloroquina como forma de tentar amenizar os efeitos do coronavírus em pacientes internados. A informação foi anunciada pelo infectologista e integrante do Comitê de Combate à Pandemia de Coronavírus, Carlos Starling. 

Ao ser questionado por jornalistas em coletiva na tarde desta quinta-feira (9/04), na Prefeitura de Belo Horizonte, o médico destacou que o uso está sendo feito em pacientes em estado moderado ou grave, mas ressaltou que ainda não há confirmação se o remédio é eficaz para esses casos.

“Em alguns hospitais sim, com o uso compassionado; ou seja, em pacientes com casos moderados a graves. Isso é avaliado de hospital a hospital”, explicou. 

Starling destacou que cientistas ainda não confirmaram se o remédio é o mais indicado para o combate ao vírus. “Há uma liberalidade para o uso dessa droga, apesar da literatura ainda não ser muito clara em relação à eficácia. As revisões sistemáticas de literatura que tem sido feita em relação à droga mostram ainda muita fragilidade nos estudos que estão disponíveis”, ressaltou.

Mas não descartou uma possível chance de o remédio obter êxito no combate à COVID-19: “Alguns pontos desses estudos mostram resultados interessantes e que apontam para uma efetividade. Entretanto, em ciência a gente tem que trabalhar com evidências maiores e não podemos esquecer que se trata de uma droga que pode ter, inclsuvie, efeitos colaterais revertérios.

*Estagiário sob supervisão do subeditor Rafael Alves

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade