Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Kalil anuncia mil leitos exclusivos para coronavírus e reafirma defesa de isolamento

Em pacote de medidas, prefeitura lançou ferramenta em parceria com a Unimed para teleatendimento a paciente com suspeita da doença


postado em 06/04/2020 17:04 / atualizado em 06/04/2020 19:26

Prefeito disse que mil novos leitos exclusivos aos pacientes com COVID-19 vão compor a rede de saúde da capital.(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D. A Press)
Prefeito disse que mil novos leitos exclusivos aos pacientes com COVID-19 vão compor a rede de saúde da capital. (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D. A Press)
Belo Horizonte tem mil novos leitos exclusivos aos pacientes diagnosticados com o coronavírus. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (6) pelo prefeito Alexandre Kalil (PSD), em entrevista coletiva. Segundo ele, as vagas foram disponibilizadas pelos hospitais São José e São Francisco e, também, pela Santa Casa.

É praticamente o dobro dos hospitais de campanha”, explicou Kalil, em alusão à desistência da instalação de um hospital de campanha no Mineirão por causa de divergências entre os Executivos estadual e municipal. Uma força-tarefa também vai ser montada no Hospital Hilton Rocha, no Mangabeiras. As unidades de terapia intensiva e os leitos de enfermaria do local serão totalmente destinados aos infectados pelo vírus. Há, ainda, 16 ambulâncias exclusivas para acolher demandas ligadas ao coronavírus.

O prefeito aproveitou para reforçar a necessidade do isolamento social, principal recomendação dos organismos mundiais de saúde para frear a propagação do vírus. De acordo com ele, a ideia é evitar que “a grande indústria do país não seja de petróleo, mas de caixões”. 

Na visão de Kalil, seguir o exemplo da Itália — onde, no início do surto da infecção, líderes políticos fizeram campanha para a manutenção das atividades normais — pode trazer graves consequências à população.

“Temos dois caminhos: ou seguimos o caminho de Milão, na Itália, ou o da China. Vamos seguir o exemplo da China. Há um pessoal achando que o coronavírus só vai matar velhos. Eles vão ocupar as UTIs primeiro, mas adolescentes também vão precisar de leitos e, aí, pode não haver vagas. Isso vai acontecer se as pessoas não ficarem em casa”, destacou.

Segundo Kalil, o funcionamento dos comércios essenciais é a prioridade. Ele pediu que a população evite aglomerações em lojas, sobretudo por conta da proximidade da Páscoa. “Não é hora de comer chocolate. É hora de tentar comer arroz e feijão”, afirmou

Teleconsultas

Kalil anunciou, ainda, o desenvolvimento de uma ferramentadisponível no site da Prefeitura de Belo Horizonte que permite consultas on-line com médicos aos cidadãos com sintomas que podem indicar coronavírus. Os moradores cadastrados em qualquer um dos postos de saúde da capital serão atendidos por profissionais do Sistema Único de Saúde (SUS).

“Toda a população vai poder consultar, gratuitamente, com médicos especialistas, como epidemiologistas e infectologistas”, disse o chefe do Executivo, ao divulgar a iniciativa.

Para receber o teleatendimento, o cidadão precisa informar o CPF e a data de nascimento. O paciente deve voltar a acessar o site em um dos horários escolhidos durante a marcação da teleconsulta. Caso o profissional de saúde levante a suspeita da doença, haverá acompanhamento da evolução do quadro clínico por meio de ligações.

Proteção individual

Kalil falou também sobre a quantidade de equipamentos de proteção individual (EPIs) disponibilizados aos profissionais de saúde da cidade. Segundo ele, a Prefeitura de Belo Horizonte já adquiriu 1 milhão de máscaras, 400 mil aventais e 73 mil caixas de luvas de proteção

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade