Publicidade

Estado de Minas

O caso Backer: podcast especial conta essa história como você ainda não ouviu

O Estado de Minas publica série especial em áudio, entre 9 e 14/2. A cada episódio, nova perspectiva a partir das vozes de quem está dentro deste caso. Ouça o trailer


postado em 07/02/2020 17:32 / atualizado em 09/02/2020 21:03


Como a farmacêutica, com pai e marido internados no Centro de Terapia Intensiva (CTI), ajudou médicos e a polícia a chegar às causas do envenenamento que intrigou o país.

A força de um atleta e professor que luta pela vida, reaprendendo a falar e a se movimentar.

A dona da cervejaria mineira Backer que foi ao hospital para averiguar os rumores contra a empresa que corriam no Whatsapp.

Os bastidores da busca dos médicos por um diagnóstico para o que era então uma doença misteriosa.

A relação de casos de intoxicação por dietilenoglicol que apareceram no início de janeiro com mortes e internações desde o fim de 2018.



O Estado de Minas publica, deste domingo (9/2) a sexta-feira (14/2), a série especial em podcast O Caso Backer: a história como você ainda não ouviu. Cada episódio traz uma nova perspectiva a partir das vozes de quem está dentro deste caso, que relaciona a bebida preferida dos brasileiros com intoxicações por agente químico usado na refrigeração da cerveja.

Um mês depois da abertura do inquérito pela Polícia Civil (PC), ainda não há um desfecho para a investigação que apura a relação entre pacientes intoxicados pelo dietilenoglicol e a presença da substância em cervejas e equipamentos da Backer, uma das maiores cervejarias artesanais do país.

Diante da complexidade da investigação, a polícia informa que avalia estender as apurações e que não tem previsão para concluí-las, mas novidades devem ser divulgadas nesta semana.

Enquanto isso, sobram perguntas sobre a história que começou com mensagens nas redes sociais, no início de janeiro, sobre a internação de moradores do Bairro Buritis, na Região Oeste de Belo Horizonte.

Até o momento, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) investiga 31 casos suspeitos da intoxicação pelo dietilenoglicol, agente químico encontrado nas cervejas da Backer, que conta com mais de 22 rótulos, sendo o principal deles, a Belorizontina.

Seis pessoas morreram - um dos óbitos está entre os quatro em que exames de sangue confirmaram a presença da substância. A maior parte dos pacientes (22) é de BH e os demais registros são de sete municípios mineiros: Capelinha, Nova Lima, Pompéu, Ribeirão das Neves, São João del-Rei, São Lourenço, Ubá e Viçosa.

A fábrica da Backer, no Bairro Olhos D'Água, na Região Oeste de BH, continua interditada pelo Ministério da Agricultura, que constatou o 41 lotes contaminados de dez rótulos da cervejaria. O órgão federal encontrou o monoetilenoglicol e o dietilenoglicol, ambos fluidos congelantes usados no processo de refrigeração da cerveja, na água da indústria, tanques e equipamentos da fábrica.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade