Publicidade

Estado de Minas

Desvios e comércio afetado: BH ainda enfrenta reflexos das chuvas

Prefeitura prioriza limpeza da cidade e desobstrução de vias, enquanto obras só ficam para período pós-chuvas. Avenidas e rodovia foram liberadas nesta quinta, mas ainda há várias interdições de trânsito na cidade


postado em 30/01/2020 20:05 / atualizado em 30/01/2020 20:34

BR-356 foi liberada para tráfego nesta quinta-feira(foto: Reprodução/BHTrans)
BR-356 foi liberada para tráfego nesta quinta-feira (foto: Reprodução/BHTrans)

 

Limpeza da cidade e desobstrução de vias: essas são as prioridades da Prefeitura de Belo Horizonte para que a capital mineira minimize, neste primeiro momento, os danos provocados pelas chuvas de janeiro.


Enquanto o período de cheias se prolonga até março, o Executivo municipal ainda não fala sobre obras, justamente pela impossibilidade técnica de realizá-las nessa época do ano. E tem apenas um temor: novas tempestades como a que caiu na terça e provocou danos, sobretudo, na Região Centro-Sul.


Ainda assim, aos poucos, vias que cercam BH são liberadas total ou parcialmente. Nesta quinta-feira (30), as avenidas Cônsul Antônio Cadar e Prudente de Morais e a BR-356 foram desbloqueadas, o que ajudou a desatar o nó dado no trânsito de veículos no início da semana.

 

Via 240 é mais uma que apresenta problemas de interdição. Sugestão é passar pelas avenidas Cristiano Machado e Saramenha (foto: Reprodução/BHTrans)
Via 240 é mais uma que apresenta problemas de interdição. Sugestão é passar pelas avenidas Cristiano Machado e Saramenha (foto: Reprodução/BHTrans)
 


No entanto, a Via 240 e as avenidas do Canal (Barreiro), Engenheiro Carlos Goulart (Oeste) e dos Andradas (Leste) continuam fechadas. O mesmo vale para a Tereza Cristina (Oeste), onde uma cratera se abriu e ainda passa por reparos das equipes da PBH.


Nesta quinta, durante todo o dia, a BHTrans usa as redes sociais para atualizar as informações acerca do trânsito da cidade. Logo na manhã, a empresa pública informou que 22 locais com registro de ocorrências em função das chuvas geravam impacto em 57 linhas do transporte coletivo.


Contudo, esse número diminuiu no decorrer da quinta-feira com a liberação de algumas vias. Porém, o bloqueio permanece na Avenida do Canal, o que força os veículos a passarem pela Rua Cabo Valério Santos, no Barreiro. O desvio prejudica nove linhas de ônibus.


Na Região Oeste, o fechamento da Avenida Engenheiro Carlos Goulart, entre os bairros Estoril e Buritis, atrapalha a circulação das linhas 5201 e SE02. Na mesma região, uma das situações mais graves é na Avenida Tereza Cristina. A via que liga a capital mineira a Contagem agora tem uma cratera.


O buraco se abriu durante o temporal de terça-feira após o Viaduto da Avenida Amazonas, no sentido Bairro-Centro. Equipes da PBH estão no local, mas não há previsão de liberação.


Quanto ao trânsito na Tereza Crisitna, a BHTrans informou que o sentido bairro – da Amazonas até a Dom João VI – a via está liberada para o tráfego com trânsito lento devido às condições do asfalto.


A partir da Dom João VI até a Rua Amanda – trânsito local. Da Rua Amanda até o Anel Rodoviário, interditada.


Já sentindo Centro, a empresa de trânsito informou que a via está interditada do Anel até a Rua Minasgás. A partir da Rua Minasgás até a Rua Monte Branco, liberada para tráfego, porém em condições precárias. A partir da Rua Monte Branco até a Rua Alpes, interditada.

 

Avenida dos Andradas continua bloqueada na Região Leste da cidade, entre a Avenida Silviano Brandão a Rua Itaituba(foto: Reprodução/BHTrans)
Avenida dos Andradas continua bloqueada na Região Leste da cidade, entre a Avenida Silviano Brandão a Rua Itaituba (foto: Reprodução/BHTrans)
 


Em outras regionais também há interdições. No Pirajá, Nordeste da cidade, a Rua Expedicionário Inocêncio Rosa está fechada e três linhas de ônibus sofrem com desvios.


Já no território Norte o problema acontece no Ribeiro de Abreu, mais precisamente na Rua Geraldo Ferreira da Silva, o que força a linha 5506A a passar por desvios.


É a Avenida dos Andradas, entre a Avenida Silviano Brandão a Rua Itaituba, que causa limitações no Leste de BH, operando somente com trânsito local, sem prejuízos para o transporte público.


A Via 240, na altura da Estação São Gabriel, conforme a BHTrans, está com uma faixa liberada no sentido Belo Santa Luzia. A sugestão é utilizar as avenidas Cristiano Machado e Saramenha. Existe a possibilidade de fechamento de toda via para manutenção nos próximos dias.


Comércio prejudicado

 

Ver galeria . 5 Fotos Praça Marília de Dirceu foi completamente destruída com as chuvas de terça-feira (28). Prioridade da prefeitura é limpeza e desobstrução de vias nos próximos diasRamon Lisboa/EM/D.A Presss
Praça Marília de Dirceu foi completamente destruída com as chuvas de terça-feira (28). Prioridade da prefeitura é limpeza e desobstrução de vias nos próximos dias (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Presss )
 


No entorno da Praça Marília de Dirceu, localizada no Bairro Lourdes, Região Centro-Sul de Belo Horizonte, o cenário já é de mudança. Equipes da Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap), da Copasa, BHTrans e da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) fizeram a limpeza do local e desobstruíram a rua que dá nome à praça para a circulação de veículos.


A área foi uma das mais atingidas durante a chuva registrada na noite de terça-feira (28) na capital. O asfalto foi completamente destruído e arrancado pela força da água e vários buracos abriram ao longo da rua.


As agências bancárias que foram atingidas ainda não estão funcionando. Os estabelecimentos comerciais, localizados na redondeza, retomam aos poucos a rotina.


Flávia Bahia, 55 anos, sócia e proprietária da Pastelaria Marília de Dirceu, contou que os moradores do bairro não estavam preparados. Ela afirma que a Defesa Civil não alertou os moradores sobre o risco iminente de alagamento do Córrego do Leitão.


“Perdemos só bens materiais aqui na pastelaria. Equipamentos, maquinário, computadores, documentos, a parte elétrica da loja e três carros de entrega que estavam parados na rua. Ainda não foi possível calcular o prejuízo”, afirmou Flávia.


“O sentimento que fica é de tristeza profunda. São 28 anos de trabalho, para ver uma coisa assim acontecer com a gente. É muito doloroso”, completou a proprietária.


Residente do bairro há 40 anos, Fernando Jabu, 50 anos, conta que mesmo antes do temporal a rua não estava em plena condição de segurança. Ele cobrava o recapeamento da via, além de algumas mudanças nos tubulões de água do córrego que passam debaixo do asfalto.


“Aqui não devia nem ter sido construído a rua. É um leito de rio”, disse Fernando. “O maior responsável pelo que ocorreu é o órgão público. O governo só sabe cobrar impostos e a gente fica refém da situação”, disse o morador.


“Fui afetado diretamente. Meu psicológico está acabado. Próxima chuva que der, não vou saber o que fazer”, completou.

 

*Estagiário sob supervisão da redação do Estado de Minas 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade