Publicidade

Estado de Minas CONGONHAS

Poço artesiano fornecerá água para comunidade afetada por minério em Congonhas

Abastecimento do Bairro Pires foi prejudicado por conta de rejeitos minerais que extravasaram de barragem de mineradora próxima


postado em 26/12/2019 13:51 / atualizado em 26/12/2019 16:48

Rejeitos da barragem do Josino afetaram a captação de água utilizada no Bairro Pires(foto: Leandro Couri/EM/D. A. Press)
Rejeitos da barragem do Josino afetaram a captação de água utilizada no Bairro Pires (foto: Leandro Couri/EM/D. A. Press)
Uma reunião nesta quinta-feira definiu medidas preventivas da mineradora Ferro+ Mineração para atenuar os problemas de uma extravasão da barragem do Josino, de propriedade da empresa, em Congonhas, Região Central de Minas Gerais, na última sexta-feira. Ficou definido que um poço artesiano será construído e fornecerá água aos moradores do Bairro Pires, que tiveram a água afetada pela rejeito mineral.

O encontro contou com a participação de Ferro Mineração, Prefeitura de Congonhas, Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) e demais órgãos competentes. Apesar da solução, o poço deve ser construído somente após dez dias, depois de estudos. A extravasão da barragem contaminou uma das nascentes utilizadas para o fornecimento de água do local.

A prefeitura informou que a água emergencial do poço artesiano não será cobrada, já que será de responsabilidade da Ferro Mineração. A compensação deve perdurar por três anos e completamente custeada pela empresa. A ideia é que, depois disso, a nascente já esteja limpa. Já a partir desta quinta-feira, estudos e vistorias serão realizadas na região, também para mensurar o dano ambiental no local.

Desde o problema com a barragem na última sexta, a comunidade de aproximadamente dois mil habitantes está sendo abastecida via caminhões pipa e galões de água, mas com distribuição aleatória e pouco informativa. Depois do problema, a captação de água foi cortada, e a orientação da prefeitura é não ingerir qualquer líquido das torneiras por precaução.

O tenente-coronel Flávio Godinho, coordenador adjunto da Defesa Civil, explicou o que aconteceu para a barragem extravasar na última sexta, após forte chuva na cidade. “Houve um carreamento de material, tanto barro quanto minério, para uma nascente, e isso fez com que a água mudasse de tonalidade. Imediatamente, foi suspensa a captação de água, para não ter uma leitura dessa qualidade, e a empresa responsável está entregando a água por caminhão pipa e água potável”.

Na noite do último domingo, a Agência Nacional de Mineração (ANM) emitiu um comunicado informando que a barragem havia transbordado, o que gerou tensão no local. Na última segunda-feira, a Defesa Civil esteve no local juntamente da ANM e outros órgãos e reafirmaram a segurança da estrutura, que não transbordou e não se rompeu.

A barragem do Josino foi construída pelo método a jusante e tem 9 metros de altura e 16,6 metros cúbicos. Na Política Nacional de Segurança de Barragens, ela é classificada com a categoria de risco baixa e dano potencial associado médio. A ANM enviou, em setembro deste ano, a declaração de condição de estabilidade e, segundo extrato de inspeção divulgado em 5 de dezembro, a barragem não tinha anomalias.

Também no domingo, a ANM garantiu a segurança da estrutura. “O talude de jusante da barragem encontra-se sem qualquer anomalias. Fizemos notificações e exigências à empresa”, disse Luiz Paniago, gerente nacional de Segurança de Barragens de Mineração do órgão.

Em nota, a Ferro Mineração informa que o dique do Josino, que em razão das fortes chuvas registrou extravasamento na sexta-feira (20), “não tem correlação com o abastecimento de água do Bairro do Pires em Congonhas, na Região Central. Conforme a empresa, órgãos competentes (ANM, FEAM, Defesa Civil, Ministério Público, Polícia Militar de Meio Ambiente e Prefeitura de Congonhas) fiscalizaram o dique, responsável por captação de água pluvial e contenção de sedimentos, e confirmaram a integridade da estrutura, que está operante e intacta, sem registro de rompimento.

A nota diz ainda que a comunidade do Pires é abastecida por nascentes a céu aberto, sendo prejudicadas continuamente pelas chuvas que atingem a região. “A empresa, historicamente parceira da comunidade do Pires, buscou soluções imediatas para suprir a falta de água das casas, oferecendo caminhões-pipa e melhorias nos canais de condução das águas”. Nesta quinta-feira (26), “foi acordado entre Ferro Mineração, Prefeitura de Congonhas e Copasa o investimento em estudos e construção de um poço artesiano para solução definitiva do abastecimento de água na comunidade do Pires”. E mais: “A Ferro Mineração reforça sua postura transparente junto aos órgãos públicos e à comunidade, com respeito pelas pessoas, comprometimento com a segurança e responsabilidade ambiental”.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade