Publicidade

Estado de Minas

Operação em shopping de BH tem nove presos e mais de 400 celulares apreendidos

Ação foi desencadeada na manhã desta segunda-feira para cumprir 20 mandados judiciais de busca e apreensão


postado em 09/12/2019 12:52 / atualizado em 09/12/2019 14:47

Ação foi realizada no Shopping Xavantes(foto: Polícia Militar (PM) / Divulgação)
Ação foi realizada no Shopping Xavantes (foto: Polícia Militar (PM) / Divulgação)


Nove pessoas foram presas em uma operação contra receptação de celulares na manhã desta segunda-feira em um shopping popular no Centro de Belo Horizonte. Até o fim da manhã, 491 aparelhos e outros equipamentos eletrônicos haviam sido apreendidos. 

A ação conjunta envolve 286 policiais militares do 1º Batalhão da PM, que atende a área central, Batalhão de Choque, Batalhão de Rondas Táticas Metropolitanas (Rotam), Regimento de Cavalaria, Rondas Ostensivas Com Cães (Rocca) e operações especiais, além de 25 agentes da Receita Federal e outra equipe com 10 integrantes do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). 

Enquanto parte dos policiais cumpria 20 mandados de busca e apreensão em lojas do Shopping Xavantes, na Rua Curitiba, equipes especializadas acompanhavam a situação no entorno para evitar tumultos.

Diversos produtos foram apreendidos durante a ação(foto: Polícia Militar (PM) / Divulgação)
Diversos produtos foram apreendidos durante a ação (foto: Polícia Militar (PM) / Divulgação)


Até por volta do meio-dia, a Polícia Militar contabilizava 491 celulares apreendidos, entre equipamentos resultado de furto, roubo ou contrabando, 20 notebooks, 22 tablets e um computador. Também foram recolhidas 80 embalagens com produtos diversos. As pessoas detidas são suspeitas de receptação. Conforme a PM, a operação vai continuar durante todo o dia. 

A assessoria de imprensa do Shopping Xavantes divulgou nota sobre a ação. “Os produtos que estavam sem nota fiscal foram apreendidos. A administração do centro de compras afirma que não permite a comercialização de produtos irregulares e colaborou com a operação, estando sempre disponível quando necessário”, diz o texto. 


Publicidade