Publicidade

Estado de Minas

Encontro reúne centenas de mães na Catedral Cristo Rei em BH

Dom Walmor celebrou missa para o movimento de Mães que Oram pelos Filhos que trouxe caravanas femininas de diversas regiões do estado


postado em 01/12/2019 18:06

(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

Carla levou o filho, Sônia, o terço, e, Maria, o coração cheio de esperança. No meio do grupo de 3,5 mil mães, elas rezaram e pediram a Deus para iluminar sua família e tantas outras espalhadas pelo país. Com força e fé, caravanas femininas de centenas de municípios mineiros participaram, neste domingo (01), na Catedral Cristo Rei, templo da Arquidiocese de Belo Horizonte em construção no Bairro Juliana, na Região Norte, do 3º Encontro Estadual das Mães que Oram pelos Filhos. À tarde, o arcebispo metropolitano de BH e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Walmor Oliveira de Azevedo, celebrou missa no espaço onde será futuramente um auditório e, pela primeira vez, recebeu público tão numeroso.

Dom Walmor destacou a importância do movimento iniciado em 2011 pela empresária mineira radicada no Espírito Santo, Ângela Abdo, hoje congregando milhares de mães pelo Brasil e ultrapassando fronteiras, com grupos formados em Dubai e Hong Kong e cidades dos Estados Unidos, Japão e França. “Trata-se de um movimento sustentado pela força espiritual, fruto da fé em Deus. As pessoas enfrentam momentos difíceis, existe a fragilidade humana, há falta de esperança. A oração favorece a congregação da família e pode trazer os filhos de volta”, disse o arcebispo, certo de que o movimento caminha para ser ecumênico. “A esperança é fundamental”, afirmou.

Ao lado, o diretor espiritual do movimento em Minas, padre Alexandre Fernandes, observou que o movimento cresce muito e adiantou que são esperadas 50 mil mães para o encontro nacional, em abril, no Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, em Aparecida (SP). “Nós, aqui, começamos com 1,5 mil, depois passamos para 2,5 mil e, hoje, recebemos 3,5 mil mães”, contou, com satisfação, o religioso que é pároco da Igreja Bom Jesus do Vale, de Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH).

CAMPO VASTO “Todas aqui são mães. Mulheres que tiveram seus filhos ou adotaram. O grande objetivo é a restauração das famílias”, explicou a coordenadora estadual do movimento em Minas, Moninha Quintero, destacando que, além de grupos formados para atendimento em escolas e hospitais, vai começar um nas cadeias. Depois de ter a iniciativa exaltada no altar pelo arcebispo, Ângela Abdo, que dois filhos e cinco netos, esclareceu: “Não criei nada, tudo foi obra de Deus. É algo que está no coração, uma união para recuperar as famílias”. No seu testemunho, a professora Simone Simões, de Monte Sião, no Sul de Minas, falou sobre o serviço de evangelização realizado com um casal e seis filhos moradores de um lixão no município.

Moradora de Raposos, na RMBH, a auxiliar administrativa Carla Adriana Brum Soares, de 39 anos, mãe de quatro filhos, levou o caçula Samuel, de três meses. “Acho muito bom, dá força para educar os filhos”, ressaltou, enquanto, perto dali, a dona de casa Sônia Rezende Faria, de Divinópolis, na Região Centro-Oeste, não desgrudava do terço. “Tenho três filhos e quatro netos, recebo apoio de todos. Sou engajada no movimento.” A programação do evento, que começou no sábado, teve palestras, oração do terço e reflexões sobre a presença de Maria, a Mãe de Jesus, nas Sagradas Escrituras. Para participar, grupos de todo o Estado tiveram que se inscrever, com preenchimento de todas as vagas. 


Publicidade