Publicidade

Estado de Minas

Funcionários do metrô de BH ameaçam parar; CBTU vai à Justiça por escala mínima

Metroviários vão paralisar na sexta-feira em protesto contra a reforma da previdência e a possibilidade de privatização do metrô de BH. CBTU entrou com ação cautelar na Justiça para garantir escala mínima


postado em 11/06/2019 16:40 / atualizado em 11/06/2019 17:03

Metroviários marcaram paralisação para a próxima sexta-feira(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Metroviários marcaram paralisação para a próxima sexta-feira (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)

Usuários do metrô de Belo Horizonte devem ficar atentos. Metroviários decidiram, em assembleia, paralisar os serviços na próxima sexta-feira na capital mineira. Devido a decisão, a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) entrou com uma ação cautelar no Tribunal Regional do Trabalho solicitando a escala mínima.

Os funcionários do metrô se reuniram na noite dessa segunda-feira e definiram a paralisação. Segundo o Sindicato dos Empregados em Transportes Metroviários e Conexos de Minas Gerais (Sindimetro/MG), a paralisação é em protesto a reforma da previdência, proposta pelo Governo Federal, e a possibilidade de privatização da CBTU.

De acordo com o Sindimetro/MG, os trabalhadores decidiram cruzar os braços e não irão cumprir a escala mínima de 30% dos serviços. Com isso, o metrô ficaria parado na sexta-feira e voltaria a rodar somente 5h30 de sábado.

Ação na Justiça


Diante da ameaça de paralisação, a CBTU entrou com uma ação cautelar solicitando ao Tribunal Regional do Trabalho 3ª região “a garantia de uma escala que minimize os efeitos da greve junto à população que utiliza o Metrô”.

“O anúncio de paralisação feito pelo Sindimetro-MG ocorre em meio a manifestações contrárias à Reforma da Previdência e não guarda relação com nenhuma negociação salarial específica em curso na Companhia. A decisão dos metroviários mineiros já foi comunicada à Administração Central da Companhia Brasileira de Trens Urbanos”, afirmou.

Segundo a empresa, a paralisação total do sistema poderá afetar aproximadamente 193 mil usuários.


Publicidade