Publicidade

Estado de Minas

Acusado de matar caixa de padaria que o mandou vestir camisa é julgado em BH

Crime ocorreu em 2016 e foi flagrado por câmeras de segurança do estabelecimento. Jovem de 18 anos foi morto com quatro tiros. Acusado foi detido em Esmeraldas


postado em 03/06/2019 12:16 / atualizado em 03/06/2019 12:27

Câmera de segurança flagrou o momento do crime na padaria(foto: PMMG/Divulgação - Polícia Civil/Divulgação)
Câmera de segurança flagrou o momento do crime na padaria (foto: PMMG/Divulgação - Polícia Civil/Divulgação)


Vai a júri na tarde desta segunda-feira em Belo Horizonte Rafael Justino da Silva, de 25 anos, acusado de matar Daniel Christyano dos Reis de Jesus, de 18, dentro de uma padaria no Bairro Rio Branco, na Região de Venda Nova. O crime ocorreu em 2016 após o funcionário pedir que o homem vestisse uma camisa para entrar no estabelecimento

O julgamento começa por volta das 12h45 no 3º Tribunal do Júri de Belo Horizonte, no Fórum Lafayette, no Barro Preto. A sessão será presidida pela juíza Myrna Fabiana Monteiro Souto. A acusação fica por conta do promotor Valter Shigueo Moriyama e o advogado Wagner Dias Ferreira defende Rafael Justino. 

Segundo as investigações, na noite de 22 de outubro de 2016, um sábado, Rafael entrou na padaria e deu quatro tiros em Daniel. As câmeras de segurança do estabelecimfento flagraram o assassinato do rapaz, na noite de sábado. A padaria fica na Avenida Érico Veríssimo, no Bairro Rio Branco.

Eram quase 21h de sábado quando Rafael, sem camisa, entrou no local. Daniel orientou o suspeito a vestir a roupa, já que, pelas normas do estabelecimento, é proibido entrar sem blusa. De acordo com testemunhas, o homem ficou bastante irritado e ameaçou o rapaz dizendo que retornaria mais tarde.

Segundo o boletim de ocorrência registrado pela Polícia Militar (PM), duas horas depois, o suspeito voltou, trajando camisa azul e com um revólver na cintura. Ele abordou a vítima logo que entrou na padaria dizendo que Daniel o havia xingado anteriormente, fato que foi desmentido pelos colegas de trabalho.

Rafael foi preso em Esmeraldas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Na época, a delegada Ingrid Estevam, que coordenou as buscas, contou que ele disse ter ido à padaria com um primo. Ao entrar, foi abordado por Daniel, que pediu que ele vestisse uma camisaOs dois discutiram e, segundo o suspeito, o caixa teria ofendido sua mãe.

Revoltado, Rafael voltou para casa, buscou um revólver e voltou à padaria para se vingar. Ainda segundo a delegada, o primo dele tentou fazê-lo mudar de ideia, mas não conseguiu. O parente de Rafael ainda pediu que outro primo avisasse a Daniel sobre o perigo, mas era tarde demais. 

Daniel era de Manhuaçu, na Zona da Mata. Segundo amigos, ele veio trabalhar na capital para sustentar a mãe(foto: TV Alterosa/Reprodução)
Daniel era de Manhuaçu, na Zona da Mata. Segundo amigos, ele veio trabalhar na capital para sustentar a mãe (foto: TV Alterosa/Reprodução)


De acordo com as investigações, Rafael chegou à padaria atirando contra a vítima. Ele disse à polícia que os dois primeiros disparos falharam, mas logo em seguida Daniel foi atingido por quatro tiros, dois no pescoço e dois na cabeça. O jovem chegou a ser levado para o hospital, mas não resistiu.

Daniel era de Manhuaçu, na Zona da Mata. Amigos disseram que o jovem veio trabalhar em Belo Horizonte para sustentar a mãe no interior. 


Publicidade