Publicidade

Estado de Minas

Saiba o que atrasa a identificação de vítimas de barragem em Brumadinho

Rapidez no processo esbarra em dois pontos, conforme comprovaram, em visita surpresa ao Instituto de Criminalística da Polícia Civil, os deputados da CPI formada para ajuda na apuração do caso


postado em 12/04/2019 06:00 / atualizado em 12/04/2019 08:09

Manifestação no IML em março: 52 pessoas continuam desaparecidas(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press - 12/3/19)
Manifestação no IML em março: 52 pessoas continuam desaparecidas (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press - 12/3/19)


Famílias de 52 pessoas desaparecidas durante o rompimento da barragem 1 da Mina do Córrego do Feijão da Vale, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, esperam notícias da identificação de cada um e, decorridos dois meses e meio da tragédia, o momento de velar seus mortos, fazer o sepultamento e encerrar um ciclo de sofrimento. A rapidez no processo, no entanto, esbarra em dois pontos, conforme comprovaram ontem, em visita surpresa ao Instituto de Criminalística da Polícia Civil, os deputados estaduais da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) formada para ajuda na apuração do caso. Em primeiro lugar, está o não cumprimento da mineradora da entrega de equipamentos e insumos para os exames de DNA das vítimas, que foi acordada com o Ministério Público, e, em seguida, a burocracia na máquina do governo estadual, que impede, por exemplo, o funcionamento de um gerador.

Em encontro com o presidente da comissão que completa um mês de atuação, Gustavo Valadares, e os deputados André Quintão, Beatriz Cerqueira e Sargento Rodrigues, o diretor do Instituto de Criminalística, Dário Luiz Lopes, informou que já foi feito um levantamento, pela equipe de biologia da instituição, de todo o material que ainda foi entregue, além da carência de recursos humanos. “Mais vítimas já poderiam ter sido identificadas. No total, são mais de 200 equipamentos que faltam, além de logística”, criticou Sargento Rodrigues. “Nossa preocupação maior é com as famílias das vítimas, trata-se de uma questão humanitária”, acrescentou.

O novo balanço da Coordenadoria de Defesa Civil de Minas Gerais (Cedec) sobre as vítimas da tragédia mostra grande diferença no número de desaparecidos. A pedido da Polícia Civil, 16 nomes de pessoas que estariam sendo procuradas foram retirados da lista. O motivo foi a grafia errada, que acabou duplicando alguns nomes. O levantamento divulgado no início da tarde de ontem mostra que são 52 pessoas desaparecidas. No boletim divulgado ontem eram 68 pessoas ainda sendo procuradas. A Polícia Civil já tinha retirado outros 17 nomes da lista por motivos diversos, como erros de grafia, acréscimos errados de sobrenomes, duplicação, pessoas que não estavam desaparecidas e foram encontradas, além de tentativas de estelionato de indivíduos que queriam receber, indevidamente, as indenizações.

Em 4 de abril, a delegada Ana Paula Kich Gontijo, responsável pela delegacia de Brumadinho, informou que estava fazendo uma força-tarefa para conferir todos os nomes que constavam na lista de desaparecidos. “Quando aconteceu o rompimento da barragem, nos primeiros dias, muitas pessoas entraram em contato com os canais criados para relatar pessoas desaparecidas. Mas essas situações não eram checadas. Agora, estamos fazendo isso”, explicou Ana Paula. O rompimento da barragem já deixou 225 mortos. Outras 395 vítimas foram localizadas. O Corpo de Bombeiros continua as buscas na região que foi tomada pela lama. 

GERADOR
Um dos casos considerados mais surpreendentes na identificação das vítimas no Instituto de Criminalística se refere à entrega, há duas semanas, de um gerador ainda impedido de funcionar. Segundo Dário, o equipamento tem capacidade para 100 litros de óleo diesel, mas conta com apenas um quinto disso: o entrave está na burocracia do governo estadual, que ainda não regularizou a “entrada” do gerador no patrimônio estadual, fato que impede até mesmo a compra do combustível. Além de interpelar a Vale sobre a situação, a comissão, que entrará na segunda frase, ouvindo testemunhas, sobreviventes da tragédia, familiares e outras fontes de informação, vai pedir explicação ao governo estadual. No Instituto de Criminalística, a comissão visitou também o laboratório no qual são feitos os exames de DNA.

A Vale não comentou o atraso constatado pela CPI. Em nota, disse ter doado equipamentos e serviços para o IML e o Instituto de Criminalística que equivalem a R$ 15,5 milhões” e que “no montante estão contemplados aparelhos que vão agilizar o processo de identificação, como tomógrafo, flat scan, raio X, raio X odontológico, microscópios, sistema de cromatografia, instrumentos de ponta de análise de DNA, entre outros”. A nota não explicita, entretanto, quais desses equipamentos já foram entregues.


Publicidade