Publicidade

Estado de Minas

Torcedores do Atlético são agredidos e roubados em Venda Nova

Vítimas têm entre 13 e 24 anos e estavam em uma rua do Bairro Candelária quando foram cercadas por 15 homens. Testemunhas ouviram tiros


postado em 07/03/2019 09:33 / atualizado em 07/03/2019 09:39

Agressores chegaram de carro e cercaram as vítimas na Rua Coronel Câncio de Albuquerque(foto: Reprodução da internet/Google Maps)
Agressores chegaram de carro e cercaram as vítimas na Rua Coronel Câncio de Albuquerque (foto: Reprodução da internet/Google Maps)


Quatro torcedores do Alético, com idades entre 13 e 24 anos, foram espancados e roubados na noite de quarta-feira no Bairro Candelária, na Região de Venda Nova, em Belo Horizonte. Segundo a Polícia Militar (PM), eles dizem que foram atacados por integrantes de torcidas organizadas do Cruzeiro. Até o momento não há suspeitos detidos. 

O crime ocorreu na Rua Coronel Câncio de Albuquerque, por volta das 22h50. Ontem o Atlético enfrentou o Cerro Porteño, pela Copa Libertadores, no Mineirão. Os jovens disseram à polícia que passavam pela rua quando foram abordados por 15 pessoas que desembarcaram de três veículos. Eles foram agredidos com socos e chutes e, quando já estavam no chão, tiveram as camisas do time, bonés, celulares e outros pertences roubados. 

Conforme a PM, o rapaz de 24 anos disse que um dos agressores gritou o nome de uma organizada do Cruzeiro da Região do Barreiro. Eles também disseram ter reconhecido outros dois agressores como integrantes de torcidas da região Norte da cidade. 

Ainda segundo a polícia, testemunhas disseram ter visto várias pessoas chegando em quatro carros, e não três como disseram as vítimas. Três deles estavam armados e chegaram a atirar para o alto pelo menos duas vezes. 

As vítimas foram socorridas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Dois foram levados ao Hospital Risoleta Neves e outro foi para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Venda Nova. Um jovem de 23 anos dispensou atendimento médico. O caso foi encaminhado à Polícia Civil. 


Publicidade