Publicidade

Estado de Minas

Trânsito é parcialmente liberado sob trincheira no Complexo da Lagoinha

Avaliação conjunta da Sudecap e Defesa Civil comprovou que não há risco de colapso da estrutura, o que permite a abertura de duas faixas embaixo das vigas atingidas por caminhão


postado em 20/08/2018 10:24 / atualizado em 20/08/2018 15:25


Foi liberada por volta das 10h30 desta segunda-feira parte do trânsito sob a trincheira atingida por um caminhão na noite deste domingo no Complexo da Lagoinha. A análise inicial feita ainda na noite de ontem mais conservadora da Defesa Civil de que era necessário manter toda a área fechada foi substituída por nova avaliação nesta manhã, que constatou danos mais leves nas vigas da estrutura e por isso permitem que metade da pista seja liberada e a outra metade destinada à recuperação do concreto danificado com a batida.

Apesar da liberação parcial embaixo da trincheira, a alça que passa por cima da estrutura segue fechada ao longo da semana, pois a trepidação do tráfego pode atrapalhar o andamento das intervenções. A expectativa do superintendente da Sudecap, Henrique Castilho, é que a recomposição do concreto atingido dure cerca de quato dias.







A alça que segue fechada ao trânsito se destina aos motoristas que chegam ao Centro pela Avenida Pedro II, mas seguem no Complexo da Lagoinha em direção ao túnel, Antônio Carlos e Bairro Floresta.

Ver galeria . 27 Fotos Carreta que transportava retroescavadeira bate em vigas de trincheira do Complexo da Lagoinha, região central de BH. Altura máxima permitida é de 4,5 metroBHTrans/Divulgação
Carreta que transportava retroescavadeira bate em vigas de trincheira do Complexo da Lagoinha, região central de BH. Altura máxima permitida é de 4,5 metro (foto: BHTrans/Divulgação )


Apesar da liberação parcial, os motoristas que chegam ao centro de Belo Horizonte pela Avenida Antônio Carlos também seguem sem possibilidade de acesso à trincheira e, consequentemente, ao Viaduto Oeste e à Avenida Nossa Senhora de Fátima. A configuração do tráfego no local ainda não permite abrir o trânsito para os veículos que chegam ao centro da capital pela Antônio Carlos. Eles continuam precisando acessar o trânsito pelo Viaduto Sarah Kubitscheck, o Viaduto B, próximo à rodoviária. 

ENTENDA O CASO Segundo a Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec) da capital, na noite de domingo, o motorista desobedeceu a sinalização de altura máxima, que no local é de 4,5 metros, e colidiu com as estruturas de concreto. “Várias vigas foram deslocadas com o impacto. Defesa Civil está no local realizando avaliações e até o momento interditou temporariamente via no sentido Barro Preto e a pista da esquerda no sentido Pampulha”, informou o órgão na noite passada. 

Das 20 vigas da trincheira entre o Túnel da Lagoinha e Viaduto Oeste, há marcas de danos em 15 delas. Porém, as cinco primeiras são as mais danificadas. As outras foram apenas lascas de concreto. Pela manhã, o veículo já havia sido retirado.

Outros acidentes


O acidente que provocou caos no trânsito em Belo Horizonte não é um fato raro na cidade. Ao menos outras quatro ocorrências semelhantes, onde cargas de caminhões ficaram presas e danificaram o viaduto no Complexo da Lagoinha, já foram registradas. A primeira delas em 2009.


Veja como estava a situação no local no início da manhã


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade