Publicidade

Estado de Minas

Trincheira no Complexo da Lagoinha teve ao menos outros quatro acidentes semelhantes

Caminhões com cargas já ficaram presos e provocaram danos na mesma estrutura onde acidente foi registrado nesta segunda-feira


postado em 20/08/2018 15:00 / atualizado em 20/08/2018 15:20

Em 2009, caldeira que era transportada por carreta ficou presa na estrutura(foto: Euler Junior/EM/D.A Press - 01/08/2009 )
Em 2009, caldeira que era transportada por carreta ficou presa na estrutura (foto: Euler Junior/EM/D.A Press - 01/08/2009 )

O acidente que provocou caos no trânsito em Belo Horizonte não é um fato raro na cidade. Ao menos outras quatro ocorrências semelhantes, onde cargas de caminhões ficaram presas e danificaram o viaduto no Complexo da Lagoinha, já foram registradas. A primeiro delas em 2009. Nesta segunda-feira, a pista teve que ser interditada depois que o elevado sofreu avarias.

No dia 1º de agosto de 2009, uma carreta que levava uma grande caldeira, bateu no nas vigas da trincheira do Complexo da Lagoinha. O veículo ficou preso no trecho da pista em direção a Avenida Cristiano Machado. As pilastras ficaram abaladas e a via teve que ser interditada. O tráfego com este tipo de material era proibida em Belo Horizonte.

Acidente registrado no mesmo local em abril de 2010(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press 06/04/2010)
Acidente registrado no mesmo local em abril de 2010 (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press 06/04/2010)


Menos de um ano depois, mais um acidente semelhante foi registrado. Em 6 de abril de 2010, um caminhão carregado com um trator derrubou uma das vigas de concreto da trincheira. A PM explicou, na época, que o motorista do caminhão trafegava no sentido Bairro/Centro quando atingiu a estrutura. No local já existia a sinalização que indicava a altura máxima permitida de 4,60 metros.  Um motociclista, que passava pelo local no momento do acidente, ficou ferido depois de ser atingido por pedaços de concreto que se soltaram da estrutura. Ele foi atendido por uma viatura do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), com ferimentos leves.

Em 2010, mais um acidente foi registrado(foto: Euler Junior/EM/D.A Press 01/06/2010)
Em 2010, mais um acidente foi registrado (foto: Euler Junior/EM/D.A Press 01/06/2010)


Pouco menos de dois meses depois, o local voltou a ser interditado. Um caminhão, com placas de Rio Grande do Sul, tentou passar pela trincheira carregado com peças metálicas, no dia 1º de junho de 2010. Porém, um dos objetos ficou preso e uma das vigas de sustentação do elevado acabou danificada. O trânsito somente foi liberado no fim da tarde do mesmo dia.

Em outubro de 2013, caminhão que passava sob o viaduto bateu em uma das vigas de sustentação do viaduto. O acidente teria deslocado parte da estrutura.  A Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap) realizou uma vistoria que constatou apenas danos superficiais nas vigas metálicas no trecho inicial da estrutura.Mesmo assim, o trânsito ficou impedido para a passagem de veículos de carga.

Na noite desse domingo, caminhão provocou danos na estrutura(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
Na noite desse domingo, caminhão provocou danos na estrutura (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)


Ocorrência mais recente


Outro acidente semelhante provocou caos no trânsito de Belo Horizonte na manhã desta segunda-feira. Uma carreta que transportava uma retroescavadeira fechou parte do Complexo da Lagoinha, no Centro de Belo Horizonte. O veículo bateu em vigas de sustentação de uma das trincheiras na noite de domingo. Mesmo assim, o trânsito interditado para uma avaliação na estrutura, e somente no fim da manhã parte da pista foi liberada.

Segundo a Polícia Militar, o acidente gerou quatro multas por infrações de trânsito distintas. Uma das infrações foi registrada pelo fato de o condutor da carreta que bateu nas vigas de concreto da trincheira entre o Túnel da Lagoinha e o Viaduto Oeste estar com a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) vencida desde abril, o que é infração gravíssima, punida com a perda de sete pontos na CNH e multa de R$ 293,47. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade