Publicidade

Estado de Minas

Carreta bate em viaduto e fecha parte do Complexo da Lagoinha

Veículo transportava retroescavadeira que ultrapassava a altura da trincheira, no sentido Barro Preto. BHTrans fez intervenções no local


postado em 20/08/2018 07:22 / atualizado em 20/08/2018 15:27

Veja mais detalhes da situação no local do acidente e os desvios implementados

Um acidente com uma carreta que transportava uma retroescavadeira fechou parte do Complexo da Lagoinha, no Centro de Belo Horizonte. O veículo bateu em vigas de sustentação de uma das trincheiras na noite de domingo e já foi retirado, mas na manhã desta segunda-feira ainda havia reflexos de lentidão no trecho, que foi parcialmente interditado. 



Segundo a Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec) da capital, o motorista desobedeceu a sinalização de altura máxima, que no local é de 4,5 metros, e colidiu com as estruturas de concreto. “Várias vigas foram deslocadas com o impacto. Defesa Civil está no local realizando avaliações e até o momento interditou temporariamente via no sentido Barro Preto e a pista da esquerda no sentido Pampulha”, informou o órgão na noite passada. 

A reportagem contou 15 vigas com algum tipo de dano, seja leve ou significativo, sendo quatro de metal e onze de concreto. O superintendente da Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap), Henrique Castilho, informou que ao menos oito vigas de concreto deverão se consertadas. Além das quatro de metal.

Agentes da BHTrans seguiram para o local ainda à noite e o veículo foi retirado. Nesta manhã, a empresa de trânsito informou que o local está sinalizado e agentes da BHTrans orientam os motoristas. “A programação semafórica do entorno foi alterada para redução do impacto no trânsito”, informou a empresa. Os ônibus das linhas 52, 63, 68, 5250 e 5550 operam com desvios. 

Ver galeria . 27 Fotos Carreta que transportava retroescavadeira bate em vigas de trincheira do Complexo da Lagoinha, região central de BH. Altura máxima permitida é de 4,5 metroBHTrans/Divulgação
Carreta que transportava retroescavadeira bate em vigas de trincheira do Complexo da Lagoinha, região central de BH. Altura máxima permitida é de 4,5 metro (foto: BHTrans/Divulgação )


Por volta das 7h, havia reflexos de lentidão nas avenidas Cristiano Machado e Antônio Carlos. Na Avenida Pedro II, o fluxo está normal para o horário, de acordo com a BHTrans. 









Veja as opções de desvios no local do acidente no Complexo da Lagoinha

Possibilidade 1: quem chega no Centro pela Avenida Cristiano Machado usa duas faixas no contrafluxo para acessar Viaduto Oeste e Avenida Nossa Senhora de Fátima(foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)
Possibilidade 1: quem chega no Centro pela Avenida Cristiano Machado usa duas faixas no contrafluxo para acessar Viaduto Oeste e Avenida Nossa Senhora de Fátima (foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)


Situação 2: quem chega ao Centro pela Avenida Antônio Carlos não acessa a via da trincheira para pegar Viaduto Oeste e Nossa Senhora de Fátima. A opção é o Viaduto B (da rodoviária) para entrar no Centro(foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)
Situação 2: quem chega ao Centro pela Avenida Antônio Carlos não acessa a via da trincheira para pegar Viaduto Oeste e Nossa Senhora de Fátima. A opção é o Viaduto B (da rodoviária) para entrar no Centro (foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)


Situação 3: motoristas que chegam ao Centro pela Avenida Pedro II não têm a opção de acessar o Complexo da Lagoinha por baixo do Viaduto B para pegar, por exemplo, a Cristiano Machado ou a Antônio Carlos. A única opção é subir o viaduto e depois retornar para seu destino inicial(foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)
Situação 3: motoristas que chegam ao Centro pela Avenida Pedro II não têm a opção de acessar o Complexo da Lagoinha por baixo do Viaduto B para pegar, por exemplo, a Cristiano Machado ou a Antônio Carlos. A única opção é subir o viaduto e depois retornar para seu destino inicial (foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)


HISTÓRICO 

O acidente que provocou caos no trânsito em Belo Horizonte não é um fato raro na cidade. Ao menos outras quatro ocorrências semelhantes, onde cargas de caminhões ficaram presas e danificaram o viaduto no Complexo da Lagoinha, já foram registradas. A primeira delas em 2009.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade