Publicidade

Estado de Minas

Deputado Fábio Ramalho entra na Justiça contra aumento das tarifas do metrô

Parlamentar entrou com uma ação popular na Vara da Fazenda Estadual e com duas representações, no MPMG e na Defensoria Pública


postado em 11/05/2018 11:35 / atualizado em 11/05/2018 12:16

Procurador Geral do Estado, Antônio Sérgio Tonet (à esquerda) recebe ação do deputado Fábio Ramalho (à direita) (foto: Assessoria Fábio Ramalho/ Divulgação )
Procurador Geral do Estado, Antônio Sérgio Tonet (à esquerda) recebe ação do deputado Fábio Ramalho (à direita) (foto: Assessoria Fábio Ramalho/ Divulgação )
O líder da bancada mineira no Congresso Nacional, deputado federal Fábio Ramalho (MDB-MG), impetrou uma ação popular na Vara da Fazenda Pública contra o aumento de 88% na tarifa do metrô. O parlamentar ainda entrou com duas representações no Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e na Defensoria Pública de Minas Gerais para tentar anular o aumento na tarifa, e promete articular com a bancada mineira contra o governo federal. 

“Esse aumento foi uma falta de respeito com o povo mineiro. O governo federal demonstrou uma insensibilidade por meio desse aumento, então espero que a Justiça suspenda a decisão”, disseo parlamentar ao Estado de Minas

Na quarta-feira, Fábio Ramalho chegou a dizer, também em entrevista ao EM, que recebeu ligação do presidente Michel Temer (MDB) aceitando a proposta da bancada mineira de escalonar o aumento na tarifa, com o valor sendo reajustado em até 30% neste ano. Porém, a proposta não se confirmou. 

“Eles estavam discutindo esse acordo que a gente propôs, e estava caminhando para um parcelamento do aumento. Porém, ontem (quinta-feira) o Carlos Marun (ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República) me ligou e disse que a decisão estava tomada e que não iam voltar atrás”, explicou Fábio Ramalho. 

Com a permanência do aumento, Ramalho prometeu articular com a bancada mineira para ir contra as proposições do governo federal. “Irei convocar a bancada mineira, porque isso foi uma falta de respeito. Vamos reagir na Justiça e tomar providências políticas”, finalizou o parlamentar.

A assessoria de imprensa do deputado informou que será protocolado um Requerimento de Informação junto aos ministérios das Cidades e do Planejamento, Orçamento e Gestão para questionar a legalidade do aumento e os critérios adotados para definir o percentual do reajuste.
 
*Estagiário sob supervisão da subeditora Regina Werneck  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade