Publicidade

Estado de Minas

Veja a programação do último dia da Festa da Goiaba em São Bartolomeu

Em 2018, comunidade celebra os 10 anos de registro, como patrimônio imaterial, da produção de doces artesanais de São Bartolomeu


postado em 15/04/2018 06:00 / atualizado em 15/04/2018 09:03

Festa tradicional em São Bartolomeu divulga a produção caseira de doces no município, que tem a goiabada como carro-chefe das cozinhas(foto: Túlio Santos/EM/DA Press - 3/3/14)
Festa tradicional em São Bartolomeu divulga a produção caseira de doces no município, que tem a goiabada como carro-chefe das cozinhas (foto: Túlio Santos/EM/DA Press - 3/3/14)


Quem gosta de cultura mineira, doces e muitas histórias não pode perder, hoje, o último dia da 22ª edição da Festa da Goiaba, no distrito de São Bartolomeu, em Ouro Preto, na Região Central. O evento integra a programação do Ano do Patrimônio Cultural da cidade, reconhecida como patrimônio da humanidade e celebra os 10 anos de registro, como patrimônio imaterial, da produção de doces artesanais da comunidade. “São mais de 50 doceiros de uma atividade que remonta aos tempos coloniais, representando o esteio da economia local”, diz o secretário municipal de Cultura e Patrimônio de Ouro Preto, Zaqueu Astoni Moreira.

Segundo o secretário, os produtores recebem, durante os festejos, um selo de qualidade, em especial para a goiabada – carro-chefe das cozinhas –, o qual saiu de cena na administração passada. O registro dos doces de São Bartolomeu foi o primeiro do município (2008) na área de patrimônio imaterial, e a festa, portanto, representa uma forma de divulgação e celebração da produção caseira.

Este ano, ao comemorar uma década do registro, são desenvolvidos os estudos que visam à revalidação do reconhecimento como patrimônio imaterial. Dentro desse processo, foi elaborada uma nova versão do selo identificativo, que faz menção ao período e à celebração de 2018 como Ano do Patrimônio Cultural.

Outra novidade está no fruto da parceria entre a TV Ufop (Universidade Federal de Ouro Preto) e a Secretaria de Cultura e Patrimônio: um novo videodocumentário sobre a produção doceira intitulado Mais que doce. O material audiovisual pretende fazer parte do processo de revalidação do título de patrimônio imaterial e divulgar o trabalho das doceiras e doceiros, “mostrando as relações afetivas por trás da produção de doces que é sustento, trabalho, negócio, tradição e laço social”.

COMEMORAÇÕES Até dezembro, está prevista uma série de comemorações da história de Ouro Preto, antiga Vila Rica. No total, incluindo a de agora, em São Bartolomeu, serão 10 marcos festivos, em datas que marcam oficialmente, entre outros, os 280 anos de nascimento do filho ilustre, Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, 320 anos da chegada do bandeirante paulista Antonio Dias, fundador do primitivo arraial, e 80 anos de tombamento do conjunto barroco pelo governo federal, quando Getúlio Vargas (1882-1954) era presidente. Arte, educação patrimonial, religiosidade, gastronomia e cultura popular estão unidos e à disposição de visitantes que chegam de todo canto para se encantar com igrejas, casario e monumentos dos séculos 18 e 19.

A fim de reverenciar a memória de homens e mulheres que construíram – e constroem – a história tricentenária, o Executivo municipal instituiu o Ano do Patrimônio Cultural em Ouro Preto, com lei aprovada por unanimidade na Câmara.

Hoje em São Bartolomeu

 

 

9h - Oficina de fabricação de doces

10h - Cortejo com bandas

12h - Feijão-tropeiro, com apresentação do grupo A cor do samba

15h - Visitas orientadas: São Bartolomeu e a história de um povo

15h30 - Cortejo do Boi da Manta 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade