Publicidade

Estado de Minas

Bombeiros vistoriam prédio em BH depois de terremoto na Bolívia com repercussão no Brasil

Ocorrência entrou no momento em que Observatório Sismológico da UNB registrou um terremoto de 6.7 graus na Escala Richter na Bolívia. Também há relatos de repercussão em outras cidades mineiras, como Araxá e Uberlândia e em estados como São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e no Distrito Federal


postado em 02/04/2018 12:21 / atualizado em 02/04/2018 13:24

Edifício pertence ao complexo do Hospital Vera Cruz e, segundo os bombeiros, abriga clínicas conveniadas à unidade de saúde(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Edifício pertence ao complexo do Hospital Vera Cruz e, segundo os bombeiros, abriga clínicas conveniadas à unidade de saúde (foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Militares do Corpo de Bombeiros vistoriaram um prédio de 10 andares na manhã desta segunda-feira, na Rua dos Timbiras, no Barro Preto, Centro-Sul de Belo Horizonte, após os ocupantes terem sentido um tremor no edifício.

O abalo foi sentido no momento em que o Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UNB) registrou um tremor de terra na Bolívia, de 6.7 graus na Escala Richter. Em Minas, também há relatos do tremor em Araxá, no Alto Paranaíba, e Uberlândia, no Triângulo Mineiro. Além dos casos em Minas Gerais, há relatos de repercussão do tremor em Brasília, São Paulo, Rio Grande do Sul e Paraná.

Conforme o Corpo de Bombeiros, o prédio que fica na Rua dos Timbiras, 3.156, atrás do Hospital Vera Cruz, foi vistoriado e nenhum risco foi apontado, ocorrendo a liberação do acesso em seguida. Não houve necessidade de retirar as pessoas do prédio porque todas já estavam fora do imóvel quando os bombeiros chegaram, conforme a corporação.

Os relatos apontam o tremor a partir do sexto andar, até o décimo, ainda segundo o Corpo de Bombeiros.
Edifício no Barro Preto foi esvaziado, mas em seguida voltou a funcionar normalmente(foto: Jair Amaral/EM/D.A PRESS)
Edifício no Barro Preto foi esvaziado, mas em seguida voltou a funcionar normalmente (foto: Jair Amaral/EM/D.A PRESS)


Mais tremores em Minas Gerais


O tremor pegou de surpresa frequentadores e trabalhadores de um centro comercial na Avenida Getúlio Vargas, no Centro de Araxá, no Alto Paranaíba. De acordo com informações do 8º Pelotão do Corpo de Bombeiros, uma guarnição foi deslocada até o local e evacuou a edificação. Uma vistoria foi iniciada, mas a princípio nenhum dano estrutural foi identificado no edifício denominado Romeu Zema.

O quinto andar foi o mais atingido. "Os solicitantes estavam dentro do edifício e sentiram o tremos. Informaram que mesas e cadeiras que estavam nas salas acabaram se movendo e sendo deslocadas pelo espaço", conta o soldado Ícaro Luiz da Costa, dos Bombeiros.

Em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, um edifício pertencente ao Grupo Algar precisou ser evacuado por precaução, depois que os trabalhadores que estavam na estrutura sentiram um abalo na manhã de hoje. O prédio fica na Avenida Maria Silva Garcia, no Bairro Granja Marileusa.

De acordo com a Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec), esse foi o único chamado recebido referente ao tremor de terra. "Se alguém mais sentiu alguma coisa, não foi reportado para nós, nem para os Bombeiros. O edifício evacuado foi vistoriado e não sofreu qualquer dano estrutural que comprometesse sua segurança", disse o agente da Comdec, Dimas Alvim Gonçalves.


Tremor também em outros estados do Brasil


Moradores de Brasília sentiram um tremor de terra na manhã desta segunda-feira (2), por volta das 10h40. Prédios foram evacuados em diferentes áreas da capital, como o Setor Bancário Sul, o Setor Comercial Sul e o Setor de Indústrias Gráficas. Servidores de órgãos públicos como a Infraero e o ICMBio disseram que foram ordenados a deixar as sedes por medida de precaução. Não há informação sobre feridos na capital federal.

Tremores foram sentidos também em  São Paulo, na manhã desta segunda-feira. Bombeiros foram chamados em várias partes da cidade por conta da ocorrência. A terra também tremeu no interior de São Paulo e em estados do Sul do País.

O tremor seria reflexo de um terremoto de magnitude 6,8 na Escala Richter que atingiu a região de Carandayti, na Bolívia, na manhã desta segunda, segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês).

A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), responsável pelo serviço geológico no Brasil, foi consultada pela reportagem, mas ainda não deu retorno.
A jornalista Carolina Moura, que trabalha em uma empresa de clipping na Quadra 2 do Setor Bancário Sul, em Brasília, conta que teve uma sensação de "tontura" no momento do tremor. "Achei que estava tonta e fiquei me segurando. Avisei a uma colega que estava passando mal e ela respondeu que estava se sentindo mal também". Ela afirma que o tremor durou apenas alguns segundos, o suficiente para deixar as cerca de 10 pessoas que trabalham no local assustadas. No entanto, ninguém precisou deixar o prédio.
 
Um homem que não quis se identificar e que trabalha no Setor Comercial Sul contou ao Correio que toda a Quadra 6 sentiu o tremor. "Tremeu tudo! Os recepcionistas nos ajudaram a esvaziar o prédio e estamos todos do lado de fora esperando a Defesa Civil. Sensação muito ruim. Aconteceu tudo muito derrepente”, relatou.

Reflexo de terremoto na Bolívia


O tremor sentido em Brasília é um reflexo de um terremoto de magnitude 6,7 na escala Richter que atingiu a Bolívia, segundo o observatório sismológico da Universidade de Brasília (UnB). No país vizinho, houve alerta de tsunami. "Tremor na Bolívia 6.7 magnitude, foi sentido em Brasília. Profundidade de 548", informou o observatório em sua página oficial no Facebook.


A Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) também confirmou que foi acionada e precisou deslocar equipes para alguns locais. A corporação tem informações de ao menos dois prédios esvaziados, mas pelos relatos, a medida foi adotada em mais locais.

Nas redes sociais, moradores de cidades como São Paulo e Maringá (PR) também relataram ter sentido a terra mexer devido ao terremoto na Bolívia.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade