Publicidade

Estado de Minas

Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais completa 110 anos

Mais antiga entidade cultural privada do estado, o IHGMG completa 110 anos e abre hoje uma série de eventos comemorativos. Entre as novidades, o lançamento de um novo site


postado em 14/08/2017 06:00 / atualizado em 14/08/2017 07:59

Comissão visita a casa de Fernão Dias, em Pedro Leopoldo, mais tarde tombada como patrimônio cultural a pedido da entidade(foto: Acervo Iepha/MG/Divulgação)
Comissão visita a casa de Fernão Dias, em Pedro Leopoldo, mais tarde tombada como patrimônio cultural a pedido da entidade (foto: Acervo Iepha/MG/Divulgação)
Uma festa para celebrar a história, destacar a cultura do povo e, principalmente, enaltecer os que lutam para não deixar que a memória se apague. Uma das instituições mais tradicionais do estado, e considerada a entidade cultural privada mais antiga, completa amanhã 110 anos – apenas 10 a menos do que Belo Horizonte. Com programação na capital e no município vizinho de Caeté, o Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais (IHGMG) deverá reunir seus 96 associados e reafirmar seus ideais. “Nosso objetivo de sempre é preservar e divulgar a história de Minas”, diz o presidente do instituto, Aluísio Quintão. A casa mineira seguiu o modelo das demais instituições criadas no país a partir de 1838, ano de fundação do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Uma das novidades é o lançamento de um novo site (ihgmg.org.br).

Segundo os estudos, após a independência do Brasil (1822), os intelectuais sentiram a necessidade de criar uma instituição específica para cuidar do registro dos fatos históricos e que fosse repositório dos mapas e das descobertas geográficas do vasto território brasileiro. Nesse contexto, surgiram as instituições congêneres nos estados, com a mesma missão em âmbito regional. “Temos integrantes de várias áreas profissionais. O importante é seguir os estatutos e nos dedicarmos a pesquisas sobre nossa história”, afirma Quintão.


A comemoração da data vai relembrar um dos seus fundadores e primeiro presidente, o político, empresário e advogado João Pinheiro da Silva (1860-1908). Natural do Serro, na Região Central, Pinheiro esteve à frente da presidência do estado no período 1906-1908, quando foi fundado o IHGMG. Por aclamação dos demais sócios-fundadores, ele foi eleito presidente da instituição em 1907. O IHGMG funciona em sede própria, no bloco B do Edifício JK, na Rua dos Guajajaras, 1.268, no Bairro Barro Preto. O Centro de Documentação tem um acervo com cerca de 29 mil volumes, com destaque para a história de Minas e um amplo auditório, onde ocorrem reuniões plenárias e solenes.

Em 1954, reunião solene em homenagem ao governador Juscelino Kubistschek, com presença do ministro da Educação Cândido da Mota Filho(foto: Acervo Iepha/MG/Divulgação)
Em 1954, reunião solene em homenagem ao governador Juscelino Kubistschek, com presença do ministro da Educação Cândido da Mota Filho (foto: Acervo Iepha/MG/Divulgação)
VISITAS Para reverenciar o associado mais ilustre e que dá nome à sede da instituição, em BH, serão feitas visitas ao mausoléu, em Caeté, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), e ao monumento projetado por Lúcio Costa, em Belo Horizonte, quando das comemorações do centenário de nascimento, em 1960. A cerimônia terá leitura da inscrição latina do túmulo, bênção do padre Nédio dos Santos Lacerda, vigário-geral da Arquidiocese de Belo Horizonte, deposição de coroa de flores, toque de silêncio e discurso do associado-efetivo Angelo Oswaldo de Araújo Santos, secretário estadual de Cultura.

Outras atividades também ocorrerão na sede do IHGMG, como o lançamento de selo comemorativo pelos Correios e palestra histórico-literária da professora Ângela Vaz Leão, uma das maiores especialistas latino-americanas nas Cantigas de Santa Maria, compostas no século 13, pelo rei de Leão e Castela, dom Afonso X.

Encerrando a semana comemorativa, os associados vão até o sítio histórico da Quinta do Sumidouro, em Pedro Leopoldo, na RMBH, para uma visita à chamada Casa de Fernão Dias Paes. No local, teria ocorrido o assassinato do bandeirante dom Rodrigo Castelo Branco, no final do século 17. Foi a partir de uma solicitação do instituto que a casa e a capela de Nossa Senhora do Rosário, no mesmo local, foram tombados como patrimônio cultural de Minas Gerais.

Programação


HOJE
15h –
Início de exibição de filmes históricos: Caraça Porta do Céu, na sede do instituto, na Rua dos Guajajaras, 1.268, no Bairro Barro Preto, em BH

AMANHÃ (15 de agosto)
10h –
Transferência simbólica do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais (IHGMG) para Caeté, na Grande BH, para homenagear o fundador e primeiro presidente, João Pinheiro da Silva, no túmulo do Cemitério Igreja Nossa Senhora do Rosário

11h30 – Homenagem a Israel Pinheiro, benemérito do IHGMG, no Solar do Tinoco, antiga residência da família e hoje sede do Museu Casa João Pinheiro e Israel Pinheiro, integrante da Fundação Israel Pinheiro.

QUARTA-FEIRA (16 de agosto)
15h –
Visita ao monumento de autoria de Lúcio Costa em homenagem a João Pinheiro da Silva, na Praça Afonso Arinos, em Belo Horizonte.

QUINTA-FEIRA (17 de agosto)
15h –
Palestra histórico-literária pela professora Ângela Vaz Leão na Sede do instituto

SEXTA-FEIRA (18 de agosto)
15h –
Apresentação de jogral pelos jovens do Departamento Infanto-Juvenil da Academia Marianense de Letras: Mariana na senda histórica: Momentos e Argumentos, na sede do instituto

Lançamento do novo site do IHGMG, junto com a empresa contratada e patrocinadora Auge Tecnologia & Sistemas Ltda.

SÁBADO (19 de agosto)
8h –
Visita histórico-cultural ao Museu Casa de Fernão Dias Paes, Quinta do Sumidouro, em Pedro Leopoldo, na Região Metropolitana de Belo Horizontes

 

SERVIÇO
Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais
Funcionamento: de segunda a sexta-feira das 13h às 17h
Telefone: (31) 3212-4656
E-mail: ihgmg@ihgmg.org.br
Rua Guajajaras, 1.268, Belo Horizonte

 

Identidade visual

 

O Dia do Patrimônio Cultural Brasileiro, celebrado em 17 de agosto, terá um lançamento nacional em Belo Horizonte. Trata-se do emblema para os bens reconhecidos como Patrimônio Cultural Brasileiro, que agora têm uma identidade visual única e comum. O novo marco foi resultado de um concurso feito pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e será usado não só pela autarquia federal, como também por todos os parceiros na preservação, gestão e valorização do Patrimônio Cultural, em especial as comunidades detentoras desses bens. O lançamento do emblema ocorrerá na quinta-feira, às 18h, no auditório do Museu de Arte da Pampulha, em Belo Horizonte.

(foto: Leandro Couri/EM/DA Press - 13/7/16)
(foto: Leandro Couri/EM/DA Press - 13/7/16)

Seminário discute patrimônio moderno


O patrimônio moderno estará no centro das atenções durante toda a semana, no evento sobre o patrimônio cultural a ser realizado pelo Iphan em BH. A capital mineira receberá de quarta a sábado o Seminário Internacional Desafios da Gestão do Patrimônio Cultural Moderno. A escolha da cidade não foi por acaso, segundo a direção do Iphan. Em 2016, o Conjunto Moderno da Pampulha (foto) se tornou patrimônio mundial em reconhecimento da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o que gerou o compromisso do órgão junto ao Comitê de Patrimônio Mundial de fazer, no local, um encontro internacional referente às questões da gestão deste tipo de patrimônio. As atividades serão no auditório do Museu de Arte da Pampulha, com entrada franca mediante inscrições prévias realizadas no portal do Iphan. As inscrições são limitadas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade