Publicidade

Estado de Minas

Empresário declara amor a BH e planeja livro com histórias sobre relações humanas

Aos 88 anos, Agenor Nunes Guerra relembra o caminho trilhado na capital mineira e quer eternizar a experiência garimpada na 'jazida' da vida


postado em 13/08/2017 06:00 / atualizado em 13/08/2017 08:38

Agenor exibe o sorriso de quem ama a vida ao lado de foto tirada com sua segunda esposa, a psicóloga Elizabeth:
Agenor exibe o sorriso de quem ama a vida ao lado de foto tirada com sua segunda esposa, a psicóloga Elizabeth: "Gosto de andar nas ruas, conversar com as pessoas. Sou um homem festeiro" (foto: Leandro Couri/EM/D.A PRESS)
Os olhos de um azul intenso, brilhantes, já viram muito da vida. E, pelo bom humor, coragem e determinação do belo-horizontino de 88 anos, ainda vão contemplar bem mais, tanto na cidade natal, que completa 120 anos em 12 de dezembro, e para a qual declara seu amor, quanto em outros cantos do mundo, especialmente Portugal.

“Quero viajar e conhecer ainda outros lugares”, revela, animado, o empresário Agenor Nunes Guerra, morador do Bairro Funcionários, na Região Centro-Sul da capital, e dono de tantas histórias que se torna um pecado, para os repórteres, a hora de encerrar a entrevista. Diante de um cálice de vinho do Porto, uma das paixões, Agenor quer agora transformar em palavras parte do caminho trilhado e publicar um livro, embora sem data de lançamento e título definido. O mais importante, acredita, é compartilhar experiências e mostrar a grandeza “da maior jazida do mundo: as relações humanas”.

Na sala do apartamento, povoado de fotos do primeiro casamento com Marilene Bezerra Guerra, falecida há 12 anos, que gerou sete filhos, e do segundo, com a psicóloga Elizabeth, Agenor decidiu que o relato vai começar pela ascendência portuguesa, mais exatamente na localidade de Reigada, em Figueira do Castelo Rodrigo, fronteira com a Galícia, Espanha. “Meus olhos azuis vêm de lá”, confessa sorridente o filho dos portugueses Antonio Guerra e Júlia Nunes Guerra. O nome de Júlia é familiar aos belo-horizontinos – afinal, quem passa na Praça Sete, no Centro, na esquina das avenidas Afonso Pena e Amazonas, não fica sem ver o edifício denominado Dona Júlia Nunes Guerra.

A citação do prédio construído em 1983 é a senha para o advogado formado em 1953 na “Vetusta Casa de Afonso Pena”, como era chamada a Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), recordar outras passagens memoráveis. Antes, no terreno nobre da Praça Sete, funcionaram lojas emblemáticas para várias gerações, como a Livraria Rex, a lanchonete Ted’s e a Bristol Calçados, de propriedade da família. “De todas, a que mais tenho saudade é da Rex. Quando jovem, dividia meu tempo entre o balcão da livraria e a faculdade. Tenho a honra de ter atendido Juscelino Kubitschek (prefeito de BH, governador de Minas e depois presidente da República), dona Sarah, mulher dele, as filhas Maristela e Márcia, Milton Campos (jornalista, advogado e ex-governador de Minas), Hilton Rocha (médico oftalmologista) e o professor Djalma Guimarães.


Na livraria, conta Agenor, ocorreu uma história vivida pelo pai, Antônio Guerra. Em 1936, quando BH tinha apenas 39 anos de fundação, o escritor Abílio Barreto (1883-1957) procurou o então governador Benedito Valadares (de 1933 a 1945) pedindo que ele publicasse, na Imprensa Oficial, seu livro sobre a história de Belo Horizonte. Ao ver o calhamaço, o governador disse “não”, acreditando que uma cidade com pouco tempo de fundação não tinha tanto para contar. “Meu pai resolveu bancar e falou que, em cinco meses, o livro ficaria pronto. E encaminhou os originais à gráfica Revista dos Tribunais, em São Paulo (SP). Assim foi publicada a obra História de Belo Horizonte – Antiga e média”.

O empresário em foto de família do primeiro casamento, com Marilene Bezerra Guerra, falecida há 12 anos, que gerou sete filhos(foto: Reprodução/Leandro Couri/EM/D.A PRESS)
O empresário em foto de família do primeiro casamento, com Marilene Bezerra Guerra, falecida há 12 anos, que gerou sete filhos (foto: Reprodução/Leandro Couri/EM/D.A PRESS)

MUNDO AFORA Agenor faz questão de voltar ao nome de Djalma Guimarães (1894-1973), o engenheiro civil, de minas e metalurgia, considerado um dos mais importantes especialistas na área e geocientistas do Brasil no século 20, que descobriu as jazidas de apatita (fosfato) e de pirocloro (nióbio) em Araxá, na Região do Alto Paranaíba. Na verdade, a riqueza mineral do Brasil é outra paixão do empresário. O avô da primeira mulher, o desembargador Tomaz Salustino, era dono da Mineração Brejuí, no Rio Grande do Norte, produtora de schellita, matéria-prima do tungstênio. Foi por meio do mineral que Agenor, cujo sonho era ser diplomata, conheceu o chinês K.C. Li (1887-1961), fundador da Wah Chang Corporation, nos Estados Unidos, e maioral do setor de tungstênio no mundo na época.

O contato o levou, em 1956, a Nova York, numa missão empresarial que durou 40 dias. Nesse compromisso, conheceu o então prefeito da cidade norte-americana Robert Wagner e o bispo e cardeal Francis Spellman, e visitou o Capitólio (prédio que serve como centro legislativo do governo dos Estados Unidos), em Washington. Mais um gole de vinho do Porto e Agenor retira de uma gaveta um pacote de recortes e retratos: numa foto, ele e a primeira mulher estão num jantar de gala no Waldorf Astoria, em NY.

“Não viajei muito pelo mundo, não. Quero, em breve, ir à minha fazenda Genezaré, na Serra da Formiga, em Caicó (RN). Tenho duas filhas morando na Europa, uma em Valência, na Espanha, e outra no Algarves, em Portugal. Pretendo visitá-las. Gosto muito de Portugal”, afirma, lembrando que esteve no país ibérico, pela primeira vez, em 1938, no começo da Segunda Guerra Mundial. “Fomos no transatlântico alemão SS Cap Arcona, da Hamburgo Sud” – seis anos depois, o navio de luxo foi bombardeado pelos ingleses (Royal Air Force), na baía de Lübeck, no Nordeste da Alemanha. “Fiz 9 anos de idade em Coimbra. Meu pai era um visionário. Comprou um carro Chevrolet zero-quilômetro e levou o veículo para passearmos em Portugal. Na volta, comprou, em Lisboa, 500 latas de azeite de um litro, já com uma rosca diferente na embalagem, e trouxe para os amigos”.
'Quero viajar e conhecer ainda outros lugares', diz Agenor(foto: Leandro Couri/EM/D.A PRESS)
'Quero viajar e conhecer ainda outros lugares', diz Agenor (foto: Leandro Couri/EM/D.A PRESS)


OUTRA BH Dos roteiros internacionais, Agenor também não se esquece do encontro com o escritor mineiro Guimarães Rosa, em Frankfurt, na Alemanha. “Ele era médico, diplomata e um dândi, mas não lançou Grande sertão:veredas, no Brasil”, conta o homem que, pelas atitudes determinadas, ganhou o codinome de “Espalha-brasa”. Numa viagem pelo tempo, o empresário, que sobreviveu a três cânceres, tem uma válvula aórtica metálica e passou por tragédias familiares – “faço questão de agradecer ao cirurgião Carlos Smith Figueiroa, do Hospital Felício Rocho” – recorda-se de prédios que sumiram do mapa de BH e deixaram saudade: o hotel onde hoje está o edifício Maletta, o Bar do Ponto, na esquina da Afonso Pena com Rua da Bahia, a antiga sede do correio na Afonso Pena e o da Faculdade de Direito, no Centro.

Com os olhos azuis ainda mais brilhantes, Agenor mostra outro tempo da capital. “Tenho também saudade dos anos 1950, em que havia muita segurança. Frequentei o Montanhês Danças. Voltava para casa às três da madrugada, subia da Rua Guaicurus até a Rua Carangola, no Bairro Santo Antônio, onde morava. No Montanhês tinha muito respeito. Aliás, respeito é a ferramenta mais importante que a raça humana tem, pena que está oxidando.”

Afilhado do primeiro dono do Cine Brasil, Agenor Gomes Nogueira, de quem herdou o nome, o empresário acredita que a cidade se tornou vítima da planta do engenheiro chefe da comissão construtora, Aarão Reis (1853-1936), pois ficou com quarteirões pequenos em vez de avenidas largas. “Amo Belo Horizonte, vivo aqui 75 dos meus 88 anos. Gosto de andar nas ruas, conversar com as pessoas. Sou um homem festeiro”, afirma. A religião é outro ponto importante nesta trajetória de quem se declara católico praticante, devoto de Nossa Senhora de Fátima e se confessa com o monsenhor Hélio Angelo Raso.

Acompanhando pelos jornais e tevê o noticiário sobre a crise política, Agenor diz que desde a época de Getúlio Vargas o Brasil se encontra mergulhado num “mar de lama”. Mas há esperança. “A vida é o mais importante. Em vez de muros, devem ser construídas pontes. O papa Francisco trouxe equilíbrio e bom senso à Igreja”, diz Agenor, certo de que o livro que está escrevendo será dedicado à família Bezerra Guerra. Pretende contar um pouco da sua história para os seis filhos – o mais velho, Sílvio, morreu há quatro anos – e 8 netos.

Na despedida, terminada a entrevista, Agenor faz questão de presentear os repórteres com um cartão, no qual há um pensamento resumindo bem seu espírito: “O que cura a doença é a força vital que existe em todos nós”. A frase é retirada do livro Yamai ga Kieru, da filosofia seicho-no-ie, e lhe foi transmitida por uma das filhas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade