Publicidade

Estado de Minas

Famílias denunciam tentativa de invasão de traficantes em ocupação no Barreiro de Baixo

Segundo coordenador do movimento, grupo armado tentou entrar em terreno ocupado por 300 famílias


postado em 23/04/2012 11:09 / atualizado em 23/04/2012 12:01

O terreno ocupado desde o último sábado por 300 famílias ligadas ao Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB), na Região do Barreiro, teria sido alvo de uma tentativa de invasão de traficantes na madrugada desta segunda-feira.

A denúncia é do coordenador do movimento, Leonardo Péricles. “Houve uma tentativa de invasão de nossa ocupação por parte de pessoas ligadas ao tráfico. A gente resistiu e, assim que começaram as ameaças, acionamos a Polícia Militar, que nada fez. Fizemos quatro ligações durante 50 minutos. Ficamos à mercê da sorte. Através do diálogo, enfrentamos 20 homens armados com revólveres e facões. Poderia ter acontecido uma tragédia de madrugada. A combinação que fizemos com a PM era a seguinte: na parte de dentro do acampamento a gente cuida, e a parte de fora, a polícia faz. Mas não fomos atendidos”, diz.

Segundo o militante, os membros da ocupação Eliana Silva conseguiram convencer o grupo a deixar o local. Ainda de acordo com Péricles, policiais militares foram até o local entre 8h30 e 9h. Os membros da ocupação registraram o ocorrido e, conforme o coordenador, os militares disseram que tomariam providências e cumpririam o acordo.

Péricles também reclamou da atuação da Guarda Municipal, que teria deixado o local durante a invasão. “Três viaturas da Guarda Municipal estavam aqui, mas eles foram embora. Eles disseram que recuaram porque não estavam armados”, explica o militante. Segundo as assessorias de imprensa da instituição e da Prefeitura Municipal, a Guarda tem acompanhado a ocupação e acionou a Polícia Militar, que é responsável por esse tipo de ocorrência. O em.com entrou em contato com a assessoria da PM e aguarda uma resposta.

De acordo com Péricles, as famílias que ocupam o terreno possuem renda de até três salários mínimos e muitas foram desapropriadas recentemente. Nesta manhã, foi feita uma triagem das barracas e os militantes estão montando uma creche improvisada para as crianças do local.


Publicidade