UAI
Publicidade

Estado de Minas BALANÇO

Apreensões da Receita em Uberlândia passam de R$ 19 mi e batem recorde

A Receita Federal em Uberlândia divulgou o balanço das ações de combate ao contrabando e descaminho até o terceiro trimestre de 2021


13/11/2021 14:54 - atualizado 13/11/2021 15:16

Trabalhador da receita federal com mercadorias apreendidas
Esse é o melhor resultado em apreensões dos últimos dois anos (foto: Receita Federal/Divulgação)
Em balanço dos três primeiros trimestres de 2021, a Receita Federal em Uberlândia apontou um número recorde e somou mais de R$ 19 milhões em apreensões. Foram ações que buscavam combater contrabando, descaminho e outros ilícitos aduaneiros. O levantamento foi realizado nessa sexta-feira (12/11).

De acordo com os dados consolidados até setemebro deste ano, as apreensões de mercadorias somaram R$ 19.197.489,89, o que equivale a um crescimento de 104%, quando comparado ao mesmo período de 2020, em que o somatório total foi de R$ 9.400.563,69. Esse resultado é o melhor dos últimos dois anos.

Ao longo do ano de 2021, já foram realizadas 42 operações de repressão em transportadoras e correios, duas operações na rodoviária de Uberlândia e uma operação em rodovia.

A apreensão de cigarros foi a mais significativa nos últimos anos, sendo que somente em 2021 foram apreendidos o equivalente a R$ 14,4 milhões deste produto. Outras retenções que chamam a atenção são cerca de R$ 1,7 milhão em veículos, R$ 1,3 milhão em eletroeletrônicos e R$ 715 mil em pneus.

“Este crescimento é resultado de um trabalho que visa o fortalecimento da equipe de repressão da Divisão de Repressão ao Contrabando e Descaminho (Direp) e a intensificação das operações, orientadas pela atividade de inteligência da Receita Federal, por meio da pesquisa e seleção dos alvos”, afirmou o delegado da Receita Federal em Uberlândia, o auditor-fiscal Eduardo Antônio Costa.

A Receita Federal faz o controle de mercadorias que entram no Brasil. Quando são descobertas irregularidades, como subfaturamento dos produtos ou tentativa ilegal de introdução da mercadoria no mercado brasileiro, a Receita apreende a mercadoria.

Esses produtos, após os trâmites legais, serão destinados conforme prevê a legislação em vigor, sendo destruídos ou transformados em itens que serão úteis à sociedade, no caso daquelas impróprias para uso e consumo. As demais são levadas a leilão, incorporadas para uso na Receita Federal ou destinadas para outros órgãos públicos e entidades sem fins lucrativos.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade