UAI
Publicidade

Estado de Minas REPERCUSSÃO NO MERCADO

Bolsa abre no vermelho e reage mal às declarações de Bolsonaro

Economista diz que queda na B3 reflete preocupação do mercado financeiro com declarações de Bolsonaro e seus impactos


08/09/2021 12:27 - atualizado 08/09/2021 12:44

Blog do Vicente

Queda na Bolsa superou 2% depois de 11h30 da manhã desta quarta-feira (08/9)
Queda na Bolsa superou 2% depois de 11h30 da manhã desta quarta-feira (08/9) (foto: Arquivo/Correio Braziliense)


O mercado financeiro não gostou do que viu nas ruas das capitais brasileiras e  do que ouviu do presidente Jair Bolsonaro  (sem partido) no feriado de 7 de setembro e caia mais de 1,5% em menos de 20 minutos de pregão nesta quarta-feira (8/9). Dólar volta a subir frente ao real e volta a fica acima de R$ 5,20.
 
Às 10h15, o Índice Bovespa (IBovespa), principal indicador da Bolsa de Valores de São Paulo (B3), estava em 116.063, com queda de 1,54% na comparação com o fechamento de segunda-feira (6). Após esse piso, a B3 tentou reagir positivamente, e chegou a subir para 116.434, mas não conseguiu manter o ritmo de subida e passa a oscilar. Pouco depois das 11h, o IBovespa já desabava 1,78%, a 115.766 pontos, com os papéis da Eztec e da Via liderando as perdas. Por volta das 11h30, a queda já superava 2%.

,-  Bolsonaristas tentam invadir prédio do Ministério da Saúde, em Brasília

 
De acordo com o economista Simão Silber, professor doutor da Universidade de São Paulo (USP),  a queda na B3 na manhã de hoje reflete a preocupação do mercado financeiro com as  declarações de Bolsonaro  e seus impactos e também com o aumento dos riscos de desaceleração global.

José Marcio Camargo, economista-chefe da Genial Investimentos, apontou o discurso de Bolsonaro como principal motivo para essa nova queda da B3 e a valorização do dólar. “Acho que é reflexo do aumento da incerteza gerada pelas declarações do presidente. Neste ambiente, fica cada vez mais difícil aprovar as reformas econômicas e evitar mais desvalorização do real. Este é o problema”, alertou.

Os discursos do chefe do Executivo em Brasília e em São Paulo  afrontaram os demais poderes e especialistas apontam vários crimes de responsabilidade, com  partidos de centro, como o PSDB, descendo do muro  e avaliando um novo pedido de impeachment do presidente.

A incerteza também está se refletindo nos títulos públicos. No Tesouro Direto, por exemplo, os títulos prefixados com vencimento em 2026 voltaram a ficar acima de dois dígitos e estão sendo negociados com taxa anual de 10,25% hoje.

A expectativa hoje é grande em relação dos demais poderes sobre os eventos de 7 de Setembro. Ontem, o presidente do Congresso Nacional e do Senado Federal,  Rodrigo Pacheco (DEM-MG), suspendeu as sessões do plenário  e das comissões da Casa.  Contudo a assessoria do Senado, hoje, informou que  presidente da Comissão Temporária Covid-19, o senador Confúcio Moura, manteve a reunião da Comissão para ouvir o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na tarde de hoje, apenas por videoconferência. O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF),  Luiz Fux, deverá fazer um pronunciamento  hoje durante a abertura da sessão da Corte. O mercado também espera um pronunciamento do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), sobre os eventos de ontem.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade