Publicidade

Estado de Minas AUMENTO NOS COMBUSTÍVEIS

Gasolina fica ainda mais cara nos postos de BH após reajuste da Petrobras

Levantamento feio pelo Mercado Mineiro apontou aumento 1,34% no preço médio da gasolina comum


12/07/2021 10:28 - atualizado 12/07/2021 10:44

Apesar de queda nos preços do etanol, diretor da pesquisa afirma que a compra do combustível não é viável para o consumidor(foto: Pixabay/Reprodução)
Apesar de queda nos preços do etanol, diretor da pesquisa afirma que a compra do combustível não é viável para o consumidor (foto: Pixabay/Reprodução)
Em pouco mais de uma semana, o preço dos principais combustíveis para veículos apresentou um novo aumento nos postos de Belo Horizonte. Uma pesquisa feita pelo Mercado Mineiro constatou que, em comparação com 1º de julho, o valor médio da gasolina comum subiu 1,34%, passando de R$5,805 para R$5,883.


O reajuste se deve a mais uma alta do valor do barril de petróleo no mercado internacional. A gasolina teve aumento de 6,3% (foi o oitavo desde o início do ano), enquanto o preço do diesel cresceu 3,7%. Por sua vez, o gás de cozinha teve acréscimo de 5,9% nas refinarias – o produto teve reajuste pela 15ª vez em 2021. 

Desde janeiro até agora, o preço médio da gasolina subiu 26,54% na capital mineira, ou seja, o valor médio que era R$4,649 foi para R$5,883.

O menor preço da gasolina comum encontrado pela pesquisa foi de R$5,664, na Região Noroeste, e o maior R$6,299, na Região Centro-Sul, com uma variação de 11.21%. Segundo o diretor do site Mercado Mineiro, Feliciano Abreu, os valores custeados pela população provavelmente terão um novo aumento até o final desta semana.

“É uma variação muito pequena entre o menor e maior valor da gasolina. Hoje não vale a pena o consumidor atravessar a cidade ou ir em um posto distantes para abastecer o seu veículo”, disse Feliciano.

Para os motoristas que optam pelo etanol, o diretor afirmou que o combustível continua não compensando para o bolso do consumidor quando comparados os preços médios. Neste momento, ele corresponde a 72% do preço médio da gasolina comum.

“O ideal seria que ele fosse abaixo de R$4 do preço médio para que ele se tornasse realmente viável para o bolso do consumidor. Principalmente neste momento difícil de aumento de preços da gasolina”, relatou o diretor.

O menor preço do etanol encontrado entre os postos pesquisados na última semana foi de R$4,054 e o maior de R$4,999, ambos na Região Centro-Sul, com uma variação de 23.31%. 

Na comparação realizada entre os preços médios no dia 1 de julho, o levantamento apontou que o custo do etanol caiu 1,79%, sendo que o valor médio era de R$4,317 e passou a ser de R$4,240.

De  janeiro até este mês, o preço médio do etanol aumentou 31,96%, passando a custar de R$3,213 para R$4,240.

Diesel


O preço médio do litro do diesel também apresentou novas elevações e subiu 1,34% somente nos últimos 7 dias. O valor que há uma semana era de R$4,632 passou para R$4,694 nos postos de Belo Horizonte.

Além dele, o custo médio do diesel s10 também subiu 22% de janeiro a julho e foi de R$3,846 para R$4,694. O menor valor foi encontrado sendo vendido na Região Venda Nova, com R$4,389 e o maior na Região Oeste, com R$4,999, uma variação de 13.90%. 

“O consumidor tem que continuar pesquisando, não pode desanimar. A pesquisa é a resposta que o consumidor dá nas bombas, por isso que, ele deve abastecer somente o necessário e se possível evitar andar de carro. Mas, sabemos que isso é muito difícil dependendo da profissão do consumidor”, ressaltou Feliciano Abreu.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade