Publicidade

Estado de Minas FRUTOS DO CERRADO

Produtos típicos do cerrado mineiro serão vendidos em rede de supermercados

Além do mercado nacional, cooperativa de agricultores familiares fecha venda de oito toneladas de castanha de baru para os Estados Unidos


16/06/2021 18:03 - atualizado 16/06/2021 19:35

Produtos feitos com castanha de baru vendidos pela cooperativa vão ganhar o mercado norte-americano(foto: Copabase/Reprodução )
Produtos feitos com castanha de baru vendidos pela cooperativa vão ganhar o mercado norte-americano (foto: Copabase/Reprodução )
Cerca de 30 produtos vindos do cerrado mineiro serão vendidos na rede de supermercados Carrefour. A parceria entre a empresa e a Central do Cerrado foi fechada na quarta-feira (9/6), em Brasília. Os itens vão ser ofertados na seção ‘Da Nossa Terra’, espaço destinado a agricultores que profissionalizaram seus processos produtivos tanto dentro quanto fora da porteira.

 

 


A partir de agora, produtos como castanha de baru, polpa de fruta congelada, açafrão (cúrcuma), urucum, farinha de mandioca, óleo de coco, babaçu orgânico e açúcar mascavo serão vendidos nas unidades do grupo no Distrito Federal.

Central do Cerrado é uma cooperativa que reúne diversas organizações comunitárias, entre elas a Cooperativa Regional de Base na Agricultura Familiar e Extrativismo (Copabase), da cidade de Arinos, localizada na Região Noroeste de Minas Gerais.

Esta é a primeira vez que produtos com o selo da agricultura familiar, cultivados com base na economia solidária, serão vendidos por uma grande rede varejista no Brasil. A parceria aconteceu por meio de um trabalho de acesso a mercados intermediado pelo Sebrae em Minas Gerais. 

O evento de apresentação dos produtos contou com a participação de lideranças dos empreendimentos cooperativos, de um representante do Sebrae Minas, de parceiros e também do diretor-presidente do Grupo Carrefour na América Latina, Noel Prioux, que se encantou com os sabores do cerrado e os saberes por trás de cada item. 

"Precisamos trazer as famílias dos produtores para apresentarem seus produtos e contarem suas histórias, aqui, em nossas lojas", disse.

Novos mercados


Para Dionete Figueiredo Barboza, gestora e coordenadora da Copabase, o acordo consolida o objetivo da cooperativa de ter acesso aos mercados privados do varejo, meta prevista no planejamento estratégico da entidade. 

Segundo ela, a pandemia afetou toda a cadeia produtiva da cooperativa, que tinha 80% do seu faturamento vindo do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), e tornou necessário ampliar as possibilidades de oferta dos produtos. 

“Acessar os mercados de varejo passou a ser uma questão de sobrevivência para todas as cooperativas.”

De acordo com Dionete, a negociação só foi possível porque a cooperativa contou com a articulação da Central do Cerrado e de outros parceiros. Além disso, o Sebrae Minas deu o suporte técnico que ajudou na reestruturação de todo o processo de produção, repaginação da marca e otimização da cadeia produtiva.

Nos últimos dois anos, por meio de uma consultoria especializada, ele ajudou na remodelagem da política comercial e estratégica da cooperativa com o objetivo de abrir novos mercados para seus integrantes. 

“Capacitamos os gestores no que diz respeito à comercialização, novas embalagens e posicionamento. Em um ano extremamente desafiador, também levamos informações sobre a realidade do mercado, ajudando na inserção competitiva”, explica Daniele Moreira, analista do Sebrae Minas.

Para o consultor Gustavo Vanucci, responsável pelo processo de reestruturação da Copabase, a parceria com o Carrefour é um marco na história da agricultura familiar brasileira. 

“Para os produtores associados foi uma grande conquista. Após dois anos de consultoria, tornamos a cooperativa competitiva, o que permitiu a comercialização e distribuição dos produtos no mercado brasiliense”, destaca.

Castanha de baru nos Estados Unidos


Outra conquista importante da cooperativa, alcançada em parceria com a Central do Cerrado, foi a venda direta de oito toneladas de castanha de baru para os Estados Unidos, feita na última semana. 

A exportação do fruto típico do cerrado é uma ação pioneira para a região do Grande Sertão Veredas. 

“Fechamos um contrato de cinco anos com a empresa Botânica Origens para o fornecimento do produto. Nossas castanhas serão vendidas para o mercado norte-americano por meio da plataforma da Amazon”, comemora Dionete.

Agricultores familiares de Minas 


Fundada em 2008, no município de Arinos, a Copabase é uma cooperativa formada por agricultores familiares e extrativistas do Grande Sertão Veredas, localizado na região Noroeste de Minas Gerais. 

O empreendimento, que tem no beneficiamento e na comercialização de frutos do cerrado sua principal fonte de renda, possui, atualmente, 130 produtores cooperados e cerca de 300 famílias envolvidas com a cadeia do baru. 
 
*Estagiária sob supervisão  


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade