Publicidade

Estado de Minas BENEFÍCIO

Auxílio emergencial: tire suas dúvidas sobre o novo pagamento do governo

Superintendente da Caixa responde às dúvidas dos cidadãos sobre a nova fase do programa


23/04/2021 18:09 - atualizado 23/04/2021 19:31

Beneficiários nascidos até agosto já receberam o auxílio emergencial pela Caixa(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
Beneficiários nascidos até agosto já receberam o auxílio emergencial pela Caixa (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)

A Caixa Econômica Federal começou em abril o pagamento de uma nova rodada do auxílio emergencial para os cidadãos em dificuldades financeiras na pandemia do novo coronavírus. Desta vez, o benefício tem valor menor se comparado ao que o governo federal ofereceu no ano passado. 
 
O valor médio do benefício será de R$ 250, variando de R$ 150 a R$ 375, a depender do perfil do beneficiário e da composição de cada família.

Pelas regras estabelecidas pela Medida Provisória 1.039/2021, o auxílio será pago às famílias com renda mensal total de até três salários mínimos, desde que a renda por pessoa seja inferior a meio salário mínimo.

A partir de 25/4, o auxílio será pago aos nascidos em setembro contemplados pelo programa.

Em 27/4 será a vez dos nascidos em outubro.

Por fim, nos dias 29 e 30/4, o pagamento será feito a quem nasceu em novembro e dezembro, respectivamente.

Até agora, a Caixa já efetuou o pagamento dos beneficiários do Bolsa Família e dos cidadãos nascidos de janeiro a agosto

Segundo o Ministério da Cidadania, pelo menos 10 milhões de beneficiários do Bolsa Família receberão o auxílio emergencial em abril – num total de R$ 2,98 bilhões.

Mais da metade desse público (5,098 milhões de pessoas) é formado por mulheres chefes de família, que receberão R$ 375 cada uma.

Outros 3,34 milhões receberão parcelas de R$ 250, enquanto 1,56 milhão terão pagamentos de R$ 150.

Em 2021, o benefício será mais restrito do que ano passado, quando 68 milhões receberam as parcelas do governo.

Perguntas


A pedido do Estado de Minas, o superintendente da Rede da Caixa, Marcelo Bomfim, respondeu algumas perguntas para quem ainda têm dúvidas em relação ao programa.

Ele frisa que o cidadão deve, preferencialmente, usar os canais digitais do banco para ter qualquer esclarecimento: “Os beneficiários não precisam ir às agências para tirar dúvidas. Use os canais digitais para isso. Temos o telefone 111, que recebeu, em 2020, 708 milhões de ligações. Em 2021, foram mais de 23 milhões. A movimentação dos recursos também é feita de forma digital, reduzindo os riscos de aglomeração”. 

1) Estou com um novo celular e esqueci a senha de acesso ao aplicativo. O que fazer?
Se o beneficiário do auxílio trocou o aparelho de celular, ele pode baixar de novo o aplicativo Caixa Tem e realizar os cadastramentos para operar normalmente. Porém, se o número de celular for alterado, por medida de segurança, a Caixa pede para que a pessoa vá até uma das agências para realizar o desbloqueio.

2) Posso sacar o benefício com o Cartão Cidadão ou preciso abrir conta na Caixa?
Para os beneficiários do Bolsa Família, segue o rito normal, como é feito hoje, com base no número NIS. Para os que não recebem o Bolsa Família e se cadastraram através dos aplicativos, o crédito é realizado primeiramente numa conta de poupança digital, de forma gratuita, que permitiu a maior inclusão bancária social digital do país. O beneficiário pode fazer pagamentos de boletos, água, concessionária, energia e, mais adiante, segue um calendário específico para saque em espécie. O cidadão não precisa se preocupar em abrir conta na Caixa

3) De que maneira o beneficiário pode utilizar o dinheiro sem precisar ir a uma agência?
O crédito é feito primeiramente através do Caxa Tem e depois abre-se um ciclo para pagamento em espécie. Quando o crédito cai na conta, o cidadão não precisa ir às agências. Pode efetuar pagamentos de boletos, água, energia... Todo o atendimento pode ser feito pelos canais digitais. 

4) Como proceder em caso de desvio do dinheiro feito por hackers?
A Caixa adotou as medidas para aumentar a segurança do pagamento do auxílio. As informações são atualizadas. Na ocorrência de fraudes, as informações são passadas à Polícia Federal. A Caixa atua diretamente com os órgãos de segurança e, caso haja identificação de casos suspeitos, adota medidas para que cada cidadão possa fazer a contestação em qualquer agência.

5) É possível acumular auxílio emergencial e Bolsa Família?
Não é possível acumular o Bolsa Família com o auxílio. A pessoa recebe o sempre o maior valor. O valor-médio do benefício será de R$ 250, variando de acordo com o perfil da família. A família monoparental chefiada por uma mulher receberá R$ 375. As pessoas que moram sozinhas recebem R$ 150. As famílias, no geral, receberão, R$ 250. Caso o benefício do auxílio emergencial seja maior que o Bolsa Família, ele vai receber o auxílio.  


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade