Publicidade

Estado de Minas Miséria

Pandemia faz crescer pobreza e fome bate à porta de brasileiros

Levantamento mostra que, no fim do ano passado, 27% da população enfrentava um quadro grave do problema. Em 2004, esse percentual era de 16%


15/04/2021 10:15 - atualizado 15/04/2021 10:36

(foto: Minervino Júnior/CB/D.A Press)
(foto: Minervino Júnior/CB/D.A Press)
Moradora de Palmas, a vendedora ambulante Letícia Lorenço, 38 anos, enfrenta uma situação cada vez mais presente na vida de brasileiros de baixa renda diante da persistência da pandemia do novo coronavírus: a dificuldade para comprar alimentos.

“Passamos por muita dificuldade, principalmente, quando começou a pandemia. Sou ambulante, mas o dinheiro não é suficiente para comprar comida e pagar as contas, está muito apertado. Moro com seis pessoas e recebemos ajuda de um projeto social. Quando não tínhamos o que comer, tivemos que recorrer a doações”, contou.


Letícia é uma das pessoas que integram a população que vive em situação de insegurança alimentar no Brasil. Como informou reportagem publicada ontem pelo Correio, mais da metade dos brasileiros não tem plenamente garantido o acesso à comida no país, segundo levantamento feito pelo Grupo de Pesquisa Alimentos por Justiça, da Freie Universität Berlin (Alemanha), em conjunto com pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e da Universidade de Brasília (UnB).

De acordo com a pesquisa, a insegurança alimentar grave ou moderada atingiu 27,7% da população no final do ano passado, ou 58 milhões de brasileiros, contra 16,8% em 2004.

Em Palmas, Letícia recebe ajuda o projeto social Unidos por Um Mundo Melhor (UPMM). A coordenadora do projeto na capital do Tocantins, Júlia Albuquerque, afirmou que, com a chegada da pandemia o número de pessoas buscando o programa triplicou.

“Antes mesmo da crise sanitária, muitas famílias estavam cadastradas e, com a pandemia, esse número triplicou. Infelizmente as doações não aumentaram. Muitas famílias não têm o básico, não tem café da manhã ou uma janta, e só o projeto social não dá conta de que elas tenham acesso ao que é delas por direito”, disse.

“Estou desempregada, moro de favor e cuido de três filhos pequenos, passo por muitas dificuldades. Mesmo recebendo o Bolsa Família, o dinheiro não dá pra pagar as contas e comer. Quando estava sem comida em casa, tive que recorrer a uma amiga que me ajudou”, conta Karen Mikaele dos Santos Lima de 26 anos, também residente em Palmas.

Em Brasília, Rejane Souza, 21 anos, é uma das representantes do projeto social Doe Amor. Há um ano voluntários promovem ações no Distrito Federal e Entorno.

“No início, eu e minha irmã, Beatriz, vimos que muitas empresas tiveram que demitir funcionários e ficamos sensibilizadas. A empresa onde trabalhávamos juntas também foi um exemplo, ficávamos localizadas em uma comercial e foi entristecedor ver tantas pessoas sem emprego. Com isso nós tivemos a ideia de juntar esforços e montarmos cestas de doações para ajudar as famílias que estavam precisando. Assim surgiram as primeiras entregas”, explicou.

*Estagiários sob a supervisão de Odail Figueiredo



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade