UAI
Publicidade

Estado de Minas DIARISTAS

BH: cai demanda por faxineiras e preço do serviço fica estável na pandemia

Nos últimos dois anos, houve aumento de 11,9%; valores em BH variam de R$ 120 a R$ 200


15/03/2021 15:45 - atualizado 15/03/2021 16:39

Com a pandemia, houve queda na demanda por serviço de diaristas(foto: simi.orgbr/Reprodução)
Com a pandemia, houve queda na demanda por serviço de diaristas (foto: simi.orgbr/Reprodução)
A procura por serviços de faxina (diaristas) apresentou uma queda durante a pandemia. Os preços se estabilizaram. Porém, nos últimos dois anos, houve um aumento de 11,9%. Uma pesquisa realizada pelo site MercadoMineiro consultou 35 profissionais e agências nos dias 12 a 13 de março de 2021.

O resultado demonstrou que, entre os pesquisados, o valor da diária pode variar 67%, sendo que a mais barata é de R$ 120 e a mais cara R$ 200. Nestes valores não estão inclusos o transporte e alimentação.

A base para se calcular o valor seria de serviços em apartamento de três quartos (±100m2), na Região Centro-Sul da capital mineira, tendo como moradores um casal com um filho de 5 anos.
Em dois anos, o preço médio da diária teve um aumento de 11,9%. Em 2019, o valor médio era de R$ 137,30 e passou a ser de R$ 153,64, em 2021.

O período de pandemia tem dificultado a vida das profissionais da limpeza. Várias famílias reduziram os gastos e muitas têm limpado a casa por contra própria ou diminuído a frequência das diaristas.

Outro fator que fortalece a crise no setor é a desconfiança das pessoas em deixar que pessoas não conhecidas entrem nas casas, explica Feliciano Abreu, do MercadoMineiro.
 
Segundo a pesquisa, é crescente também pessoas que perderam emprego em outra profissão e se tornaram diaristas para tentar sobreviver neste período, o que aumentou a concorrência.

O relato da maioria é que houve diminuição da frequência. Quem trabalhava duas vezes na semana, para o mesmo cliente, passou a trabalhar uma só. Outras que trabalhavam em uma casa uma vez na semana, passaram a trabalhar de 15 em 15 dias, para cada cliente, na média.
 
Ropsa sentiu diminuição da procura de diaristas durante a pandemia(foto: Maria Rosa de Jesus/Arquivo pessoal)
Ropsa sentiu diminuição da procura de diaristas durante a pandemia (foto: Maria Rosa de Jesus/Arquivo pessoal)
Maria Rosa de Jesus, 45 anos, sentiu no bolso a redução das ofertas de trabalho. "Acredito que caiu em 50%, mais ou menos, a procura. E onde continuei trabalhando o serviço aumentou. Às vezes, mais roupas pra lavar, com as pessoas ficando em casa". Rosa trabalha em emprego fixo durante a semana, na parte da manhã. "Faço bico com faxina no período da tarde, umas quatro vezes por semana."
 
Para Maria do Socorro de Souza, de 47, as chamadas também diminuíram, "uns 30%". Mas diz que não notou aumento dos serviços onde ela continuou prestando faxinas. Em algumas casas, ela vai de 15 em 15 dias; em outras, uma vez por semana.

"Não achei que houve aumento de serviço". Mas diz que não tem aumento nos valores há mais de um ano. "Inclusive a passagem de ônibus é por minha conta". 
 
O site MercadoMineiro não atesta a qualidade dos profissionais envolvidos na pesquisa. Foram escolhidos aleatoriamente em jornais e classificados.
 
Resultados da pesquisa sobre diaristas:
 
Menor Valor R$ 120,00
Maior Valor R$ 200,00
Variação 67%

Preço Médio:
março 2019 R$ 137,30
março 2021 R$ 153,64
Variação 11,90%

FONTE: MercadoMineiro (www.MercadoMineiro.com.br)


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade