Publicidade

Estado de Minas LESTE DE MINAS

Sindicatos dos bancários denunciam filas e aglomeração na porta dos bancos

Em Ipatinga e Governador Valadares, sindicatos afirmam que filas são resultado de medidas de precarização das condições de trabalho dos bancários


21/01/2021 14:10 - atualizado 21/01/2021 14:47

Na porta das agências bancárias de Ipatinga e Governador Valadares, as filas na área externa são frequentes e, em muitos casos, sem o devido distanciamento entre os clientes(foto: Bancários Ipatinga/ Divulgação)
Na porta das agências bancárias de Ipatinga e Governador Valadares, as filas na área externa são frequentes e, em muitos casos, sem o devido distanciamento entre os clientes (foto: Bancários Ipatinga/ Divulgação)
As longas filas nas portas das agências bancárias têm preocupado a população de cidades como Ipatinga e Governador Valadares, no Leste de Minas Gerais. Muitos avaliam a proximidade das pessoas, a maioria idosas, como aglomeração perigosa e propícia ao contágio do novo coronavírus. 

Os bancos, quando são consultados sobre as aglomerações nas filas organizadas na porta das agências, alegam que respeitam as normas da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) para o enfrentamento da COVID-19.

Os sindicatos dos bancários, de Ipatinga e Governador Valadares, veem o problema de outra forma e alegam que, mesmo que as agências sigam as normas da Fenaban, as filas intermináveis no atendimento presencial são resultado de medidas de precarização das condições de trabalho dos bancários.

“No contexto da pandemia da COVID-19, estas filas se tornaram ainda maiores e perigosas: não há distanciamento correto entre as pessoas, favorecendo a disseminação do vírus entre clientes e trabalhadores que atendem presencialmente”, informou, por meio de nota, o Sindicato dos Bancários de Ipatinga. 

Contágio pelo novo coronavírus

Segundo o Sindicato dos Bancários de Ipatinga, diversas agências foram fechadas ao longo do ano de 2020, no Brasil e na região, por causa da contaminação dos funcionários pela COVID-19. “Isso prejudica a saúde dos bancários, que trabalham cada vez mais sobrecarregados, com metas cada dia mais abusivas, convivendo com medo da doença e de contaminar familiares” informou a direção do sindicato.

Na semana passada, em Governador Valadares, a agência central do Bradesco, na Avenida Minas Gerais, foi fechada totalmente por causa da testagem positiva para a COVID-19 de dois funcionários. 

Em Ipatinga, de acordo com o Sindicato dos Bancários, ao longo de 2020, várias agências foram fechadas para desinfecção depois que funcionários testaram positiva para a doença.

Fiscalização

Em Ipatinga, a prefeitura reconhece o problema relacionado às filas dos bancos: “A atual administração iniciou uma campanha de conscientização e fiscalização nos comércios em geral e instituições de atendimento ao público, a fim de instruir sobre o protocolo sanitário de combate à COVID-19, e monitorar seu cumprimento”.

Para a prefeitura, os bancos também estão inseridos nesse processo e, caso seja detectada aglomeração ou outra desobediência às normas, os responsáveis serão primeiramente orientados e, se não for resolvida a inconsistência, serão notificados.

Em Governador Valadares, a Secretaria de Obras e Serviços Urbanos, por meio da Gerência de Fiscalização e Posturas, informou que a responsabilidade pela organização das filas na parte externa dos bancos é das próprias agências.

Em caso de descumprimento das normas estabelecidas para o combate à COVID-19, como o distanciamento social, as agências estarão sujeitas a notificações e multas.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade