Publicidade

Estado de Minas CRÉDITO

Micro e pequenos empresários ainda esperam acesso a financiamentos

Pesquisa mostra que 49% das empresas que buscaram crédito não conseguiram; BDMG lançou mais uma modalidade de empréstimo, para quem fatura até R$ 360 mil ao ano


postado em 30/06/2020 15:35 / atualizado em 30/06/2020 16:47

Mais de 35% dos pequenos empreendedores mineiros buscaram empréstimo bancário desde o início da crise, e 49,8% deles não tiveram êxito (foto: Sebrae/Divulgação)
Mais de 35% dos pequenos empreendedores mineiros buscaram empréstimo bancário desde o início da crise, e 49,8% deles não tiveram êxito (foto: Sebrae/Divulgação)
De um lado, micro e pequenos empresários reclamando que não conseguem acesso a crédito – segundo o Sebrae, metade dos pequenos negócios mineiros que buscaram empréstimo bancário desde o início da pandemia de COVID-19 não obteve sucesso. Do outro, governos e instituições financeiras estatais prometendo que, agora, o dinheiro vai chegar à ponta. E, no meio, muita gente perdendo o emprego ou temendo ficar desempregado.

A equação está difícil de ser resolvida. Ainda mais depois que já se passaram mais de 100 dias de restrições ao funcionamento de diversos setores da economia, dificultando a vida de quem já não encontra muita facilidade.

Segundo a quarta edição da pesquisa "O impacto da pandemia de coronavírus nos pequenos negócios", mais de 35% dos pequenos empreendedores mineiros buscaram empréstimo bancário desde o início da crise, e 49,8% deles não tiveram sucesso.

O estudo ouviu 7.403 empresários em todo o Brasil, sendo 481 em Minas Gerais, entre 29 de maio e 2 de junho. O intervalo de confiança é de 95%.

As restrições no CPF e/ou a negativação no Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal (Cadin)/Serasa foram as causas apontadas pela maioria (30,6%) dos que não conseguiram o empréstimo.

Mais da metade (50,2%) dos pequenos negócios que buscaram crédito aguardam resposta (29,2%) ou já conseguiram empréstimo (21%).

A pesquisa também mostra que o número de pequenos negócios que buscaram empréstimos bancários em Minas aumentou em relação à última enquete, realizada entre 30 de abril e 5 de maio.

Na terceira edição do levantamento feito pelo Sebrae, 27,8% das empresas disseram ter recorrido a empréstimos em bancos. No levantamento atual, foi mais de um terço (35,5%) delas.

Números dos bancos públicos e privados


Os bancos públicos lideraram a corrida pelo crédito no estado, segundo a pesquisa. Cerca de 63% dos pequenos negócios que buscaram empréstimo bancário no estado recorreram, principalmente, à Caixa (46,5%) e ao Banco do Brasil (16,7%).

O Itaú e o Santander foram as instituições privadas mais procuradas pelo segmento durante a crise, com 21,% e 14% das demandas, respectivamente.

Mais de um terço (35,5%) dos pequenos negócios mineiros estão com dívidas em atraso. O percentual é menor que o registrado em nível nacional (41%) e na Região Sudeste (40%).

A maioria (64,2%) dos empresários consultados disse não ter dívidas (35%) ou estar com os empréstimos em dia (29%).

Nova linha de crédito

Para tentar salvar negócios e empregos, o Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) lançou nesta terça-feira (30/6) nova linha de crédito e garante que agora vai conseguir mais gente.

Com apoio do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), do governo federal, serão oferecidos recursos para empresas com faturamento anual de até R$ 360 mil e com data de fundação até 18 de maio de 2019. 

A contrapartida é o compromisso de manter o número de postos de trabalho registrados em 18 de maio deste ano por pelo menos 60 dias após a obtenção do financiamento. Os juros são de 1,25% ao ano, mais a taxa Selic, atualmente em 2,25%/ano.

O prazo total é de 36 meses, sendo oito de carência e pagamento em 28 parcelas. O crédito poderá ser aplicado em capital de giro ou em investimentos com limite máximo de contratação de 30'% da receita bruta da empresa em 2019.

“Essa linha de crédito tem muitas vantagens em relação a outras. Uma delas é não precisar contratar nenhum outro produto”, diz Sérgio Gusmão, presidente do BDMG, ressaltando ainda que as solicitações poderão ser feitas por meio do BDMG Digital, plataforma de atendimento on-line do banco disponibilizada em seu site, além de o banco contar com rede de 350 correspondentes bancários em todo o estado, permitindo maior alcance, com atendimento personalizado e sem custos adicionais.

Ele também destaca que desde março a instituição vem liberando financiamentos para auxiliar os empreendedores neste momento difícil para todos. “Mais de 60% dos empregos estão nas pequenas e microempresas em Minas. Então, estamos garantindo a sobrevivência dessas empresas nesta fase desafiadora que estamos vivendo”, explica.

Os Microempreendedores Individuais (MEI) não estão contemplados. A orientação é que, no momento, procurem as cooperativas de crédito.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade