Publicidade

Estado de Minas AUXÍLIO EMERGENCIAL

Defensoria Pública vai ajudar quem teve pedido de benefício negado

Atendimento será gratuito e começa na próxima segunda-feira, preferencialmente pela internet


postado em 20/06/2020 16:05

Ideia é atender aos brasileiros que foram classificados como inelegíveis aos R$ 600 porque o governo entendeu que eles não se encaixam nos critérios da lei que criou o auxílio emergencial(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press )
Ideia é atender aos brasileiros que foram classificados como inelegíveis aos R$ 600 porque o governo entendeu que eles não se encaixam nos critérios da lei que criou o auxílio emergencial (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press )
Mais de 42 milhões de brasileiros solicitaram o auxílio emergencial, mas tiveram o pedido negado pelo governo desde o início da pandemia do novo coronavírus. Por isso, a Defensoria Pública da União (DPU) vai ajudar os trabalhadores que não concordam com essa avaliação a contestar a decisão do Executivo. O atendimento será gratuito e começa na próxima segunda-feira, preferencialmente pela internet.
Segundo a DPU, a ideia é atender aos brasileiros que foram classificados como inelegíveis aos R$ 600 porque o governo entendeu que eles não se encaixam nos critérios da lei que criou o auxílio emergencial, mas que têm documentos para mostrar que a análise do Executivo pode estar equivocada. Pode ser o caso, por exemplo, de quem teve o pedido negado por algum problema de registro ou por alguma desconformidade das bases de dados do governo, como aconteceu com alguns desempregados que ainda apareciam como empregados nos registros públicos.

“Aqueles que tiveram o benefício eventualmente negado, por alguma desatualização no cadastro que não seja condizente com a realidade atual, têm a possibilidade de buscar ajuda para resolver a questão sem judicialização", disse o defensor público-geral federal, Gabriel Faria Oliveira.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade