Publicidade

Estado de Minas

Bares de BH protestam nesta terça-feira contra impostos vendendo chope a R$ 3

Dia do 'Chopp Sem Impostos' do ano passado levou cerca de 5 mil pessoas aos estabelecimentos participantes e foram vendidas em torno de 12 mil taças da bebida


postado em 03/06/2019 17:25 / atualizado em 04/06/2019 15:05

Carga tributária que incide sobre o chopp é de 62,20% (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)
Carga tributária que incide sobre o chopp é de 62,20% (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)

Mais um ato em Belo Horizonte pretende chamar atenção para a carga tributária que incide sobre os produtos comercializados no país. Nesta terça-feira (04/06), o chope é que vai ser vendido sem os tributos em oito bares. Os estabelecimentos participantes do “Chopp Sem Impostos”- seis na Rua Pium-i, Bairro Sion, e dois na Rua Alberto Cintra, no União -, vão vender a bebida por R$ 3 o copo de 300 ml, entre 18h e 22h.

A iniciativa é organizada pelo Instituto Liberal de Minas Gerais (ILMG) e pela Rede Liberdade e ocorre desde 2017.


No ano passado, quando também foi realizado, cerca de cinco mil pessoas experimentaram em torno de 12 mil taças. “O chope foi escolhido para ser usado como modelo demonstrativo da carga tributária, por ser considerando um produto de grande consumo entre os brasileiros, além de seu preço final somar cerca de 62% em impostos”, afirma o ILMG.


Segundo dados do Instituto Brasileiros de Planejamento e Tributação (IBPT), no ano passado foi alcançada a maior carga tributária no país, chegando a 33,58% do Produto Interno Bruto (PIB). Ainda de acordo com os idealizadores do “Chopp Sem Impostos”, a data em que o ato ocorre não foi escolhida de forma aleatória, mas coincide com o último dia do ano quando cada cidadão para de trabalhar para pagar impostos e passa a produzir para si.

“O evento mostra de fato o peso que o estado exerce sobre o bolso dos consumidores. Vamos tomar aquele chopp geladinho e conversar sobre como as ideias de livre iniciativa, menos tributação e menos burocracia são positivas para toda a sociedade!”, convocam os organizadores nas redes sociais. Ainda de acordo com eles, cada estabelecimento participante tem regras específicas e o consumidor que for participar deve ficar atento. 

De acordo com o diretor-executivo do ILMG, Matheus Lima, o evento, por ter o chope como protagonista, consegue atingir a principal intenção que é de conscientização. Isso é possível por ser uma bebida consumida por todas as classes. “É uma bebida democrática e todas as camadas da população podem acessar. Além disso, a população consegue entender porque, por exemplo, cada chopp que você toma o estado toma dois, considerando os impostos. É uma forma lúdica”, analisou.  

 

Momento de conscientização

 


A gestora do Albanos, um dos bares participantes do “Chopp Sem Impostos”, Fernanda Bicalho, conta que a casa sempre aderiu a medida por considerar muito altos os impostos e vê a importância de chamar a atenção para isso.

“Fomos uma das primeiras casas a apoiar a causa, porque acreditamos que nossos clientes poderiam aproveitar bem mais nossas cervejas e a gastronomia, se não fosse pela alta carga tributária. Por isso também sugerimos o envolvimento de todos os bares da rua, pra dar mais visibilidade ao movimento”, disse.


Fazendo coro com Fernanda, o sócio-proprietário do Vaca Loka Lounge Bar classificou como “absurda” a atual carga tributária e considerou como “guerra” manter um estabelecimento em funcionamento na atual conjuntura do país.

“Muitas vezes o consumidor vê o preço do chope, do cardápio e pensa que estamos com lucro abusivo. Mas, ele acaba não tendo a dimensão, porque é tanto imposto, encargos. Isso onera de mais, é um absurdo. Pra manter o estabelecimento funcionando é verdadeira guerra”, afirmou. Ainda de acordo com ele, a expectativa é boa para o ato amanhã. “Estamos esperando bom público e já estamos recebendo muitas reservas”, contou.


Na semana passada foi realizado mais uma edição do Dia Livre de Impostos em BH. Pelo menos 851 estabelecimentos na capital venderam produtos e serviços descontando o peso da tributação sobre os preços. Uma das grandes atrações, como em anos anteriores, foi posto de gasolina que comercializou o combustível com 46% de desconto. O litro saiu a R$ 2,5293.


Ao todo, em Minas Gerais, 1.317 estabelecimentos participaram do evento, dos 3 mil anunciados em todo o país. As ações foram realizadas em 20 estados e 160 cidades. Óticas, lojas de eletrodomésticos, calçados e perfumarias também aderiram ao protesto.

Confira a lista de bares participantes:

 

 

Vaca Loka Lounge Bar – (Rua Alberto Cintra, 74 – União) 

Albanos Hub Cervejeiro (Rua Pium-Í, 611 – Sion)

Almanaque Choperia – (Rua Pium-Í, 675 – Anchieta)

Canabrava Bar e Chopperia – (Rua Alberto Cintra, 85 – União)

Laicos – (Rua Ceará, 1580 – Savassi)

Mito Bar – (Rua Pium-Í, 672 – Anchieta)

Mr. Hoppy – (Rua Montes Claros, 495 – Carmo)

O Destro Bar – (Rua Pium-Í, 787 – Cruzeiro)

 


 


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade