Publicidade

Estado de Minas

Desemprego em Minas cresce no primeiro trimestre do ano, revela IBGE

Crescimento é em relação ao último trimestre de 2018, quando a taxa de Minas Gerais saltou de 9,7% para 11,2%. A mesma situação foi verificada em outros 13 estados


postado em 16/05/2019 09:59 / atualizado em 16/05/2019 10:51

(foto: Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas)
(foto: Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas)
A taxa de desemprego cresceu em 14 das 27 unidades da Federação no primeiro trimestre deste ano, na comparação com o último trimestre do ano passado, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – Contínua (PNAD-C), divulgada nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Minas Gerais está entre os estados que registou esta alta. No trimestre de novembro a dezembro de 2018, a taxa de desemprego no estado era de 9,7% e subiu para 11,2% no primeiro tirmestre deste ano.

Além de Minas, Acre, Goiás, Mato Grosso do Sul, Maranhão, Mato Grosso, Distrito Federal, Tocantis, Espirito Santo, Pará, Ceará, São Paulo, Paraná e Santa Caratina também registraram alta. Destes, a maior taxa foi verificada no Acre, que subiu de 13,1% para 18%. Nas outras 13 unidades da federação, a taxa manteve-se estável. 

(foto: IBGE/ Divulgação)
(foto: IBGE/ Divulgação)



Na passagem do último trimestre de 2018 para o primeiro trimestre deste ano, as maiores altas da taxa de desemprego foram observadas no Acre (de 13,1% para 18%), Goiás (de 8,2% para 10,7%) e Mato Grosso do Sul (de 7% para 9,5%).

Na comparação com o primeiro trimestre de 2018, os estados que registraram alta na taxa foram Roraima (de 10,3% para 15%), Acre (de 14,4% para 18%), Amazonas (de 13,9% para 14,9%) e Santa Catarina (de 6,5% para 7,2%).

Já os estados que tiveram queda na taxa, nesse tipo de comparação, foram Pernambuco (de 17,7% para 16,1%), Minas Gerais (de 12,6% para 11,2%) e Ceará (de 12,8% para 11,4%).

(foto: IBGE/ Divulgação)
(foto: IBGE/ Divulgação)


Característica dos desocupados

A pesquisa do IBGE informa também o sexo, idade, nível de instrução, além da cor ou raça da população desocupada no Brasil. As mulheres são 52,6% e os homens correspondem a 47,4%. A população de 25 a 59 anos representa 57,2% dos desocupados. Os jovens de 18 a 24, 31,8%, os menores de idade, 8,3% e os idosos, 2,6%. 

Quanto a cor ou raça, a pesquisa mostra que 51,2% dos descoupados eram pardos; 35,2%, brancos e 12,7%, pretos.

O nível de instrução aponta que 39% dos descoupados tinham ensino médio completo; 24,4%, fundamental incompleto; 12,5%, médio incompleto; 10,4%, superior completo; 7%, superior incompleto e 1,7% não tem instrução ou menos de um ano de estudo. 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade